Libra perde membros importantes e potencialmente pode ser bifurcado, mas ainda se mostra confiante

No início desta semana, os membros iniciais da Libra Association formalizaram uma estrutura de governança após realizar sua reunião inaugural em Genebra. A transição aconteceu poucos dias depois que sete participantes de alto nível, incluindo Visa, eBay e Mastercard, decidiram deixar a organização.

O revés do Libra aconteceu em meio a um distúrbio regulatório geral na indústria de cripto: somente em outubro, as autoridades dos Estados Unidos multaram a Block.One, desenvolvedora do EOS, por manter uma oferta de títulos não registrada e suspenderam a TON - a maior oferta privada de tokens - por cobranças semelhantes.

Independentemente disso, a ideia do Facebook de criar uma stablecoin acessível para um público internacional mais amplo persiste. No início deste mês, um grupo de desenvolvedores apresentou seus planos de uma missão do Libra sem o Facebook, lançando um fork sem permissão.

Mas o próprio gigante da mídia social também não está desistindo. De fato, em 23 de outubro, seu CEO, Mark Zuckerberg, finalmente testemunhará perante os órgãos reguladores dos EUA a respeito do importante projeto de moeda digital.

Um quarto dos membros iniciais do Libra já pulou fora

Quando o Libra foi apresentado pela primeira vez em junho deste ano, era apoiado por 28 membros, que formaram a fundação da chamada Libra Association - um consórcio sem fins lucrativos da Suíça que essencialmente supervisiona a operação da criptomoeda.

No momento em que o Libra seria lançado, o Facebook observou na época, que a organização poderia incluir até 100 empresas.

A Libra Association, que por sua vez é controlada pelo Conselho da Libra Association, foi reunida pelos 21 membros iniciais restantes. Cada um deles foi obrigado a fazer um investimento mínimo de US$ 10 milhões para garantir uma posição.

Além disso, cada investimento de US$ 10 milhões concede a uma entidade um voto no conselho, embora nenhum membro do conselho possa adquirir mais de 1% do total de votos - aparentemente, para evitar um monopólio.

Depois que o modelo de governança do Libra foi apresentado publicamente junto com a própria criptomoeda, o Facebook começou a enfrentar uma grande reação regulatória.

Isso resultou em duas audiências acaloradas no Congresso dos EUA, além de numerosas - e predominantemente negativas - declarações de bancos centrais de todo o mundo, entre outras coisas.

Alguns países, como a Índia, pareciam especialmente hostis e o Facebook chegou ao ponto de cancelar o lançamento do Libra por lá.

Consequentemente, o moral entre os membros iniciais da Libra Association começou a declinar. Em 2 de outubro, surgiram relatos sugerindo que Visa, Mastercard, PayPal e Stripe não tinham mais certeza se queriam ser participantes pagos na moeda digital do Facebook.

O Financial Times citou uma pessoa "próxima ao PayPal" que disse:

"Parece que não houve muito pré-trabalho junto aos reguladores. As empresas de [pagamentos] não querem que esse [controle regulatório] respingue em seus negócios".

Dois dias depois, os rumores se provaram reais e o PayPal se tornou oficialmente o primeiro membro inicial a deixar a Libra Association. O porta-voz do gigante dos pagamentos disse ao Cointelegraph:

“Continuamos apoiando as aspirações do Libra e esperamos continuar com o diálogo sobre maneiras de trabalhar juntos no futuro. O Facebook é um parceiro estratégico de longa data e que o PayPal dá valor. Continuaremos a fazer parcerias e apoiar o Facebook de várias formas.”

Visa, eBay, Stripe e Mastercard logo seguiram o exemplo, enquanto Booking HoldingsMercado Pago foram os últimos a abandonar a Libra Association.

Um representante do eBay explicou ao Cointelegraph que, embora a empresa ainda esteja interessada na adoção de blockchain e criptomoedas, não considera integrá-las como parte dos recursos de pagamento da empresa neste momento:

“Nós respeitamos muito a visão da Libra Association; no entanto, o eBay tomou a decisão de não avançar como membro fundador. No momento, estamos focados em implementar a experiência de pagamentos gerenciados do eBay para nossos clientes."

O representante do eBay evitou responder à pergunta sobre se sentia alguma pressão externa para se retirar do Libra.

Em 8 de outubro, os senadores norte-americanos Brian Schatz e Sherrod Brown enviaram cartas públicas ao CEOs da Stripe (Patrick Collison), da Mastercard (Ajaypal Banga) e da Visa (Alfred Kelly) basicamente ameaçando os gigantes de pagamentos de impor um escrutínio regulatório não apenas nas atividades de pagamento relacionadas ao Libra mas em todas suas atividades de pagamento.

Os senadores escreveram:

“O Facebook está tentando alcançar esse objetivo deslocando os riscos e precisa criar novos regimes de conformidade para membros regulamentados da Libra Association como suas empresas. Se você aceitar isso, poderá esperar um alto nível de escrutínio dos reguladores, não apenas nas atividades de pagamento relacionadas ao Libra, mas em todas as atividades de pagamento.”

Mastercard, Stripe e Visa não responderam aos pedidos do Cointelegraph para esclarecer se as cartas faziam parte do motivo pelo qual optaram por deixar a Libra Association.

A comunidade de cripto, que tradicionalmente se inclina para visões libertárias, recebeu a mudança com críticas. Brian Armstrong, cofundador e CEO da Coinbase, uma das principais exchanges criptomoedas dos Estados Unidos, que por agora é membro da Carta da Libra Association, chamou a ação de "antiamericana".

A PayU, com sede na Holanda, é no momento o único processador de pagamento restante no conselho da Libra Association.

Embora a empresa pretenda atingir 2,3 bilhões de consumidores, trabalha predominantemente nos mercados em desenvolvimento, excluindo, portanto, os EUA e a maioria dos territórios europeus, onde os reguladores parecem estar mais alertas. O representante da PayU disse ao Cointelegraph:

“Acreditamos que o design do ecossistema Libra tem o potencial de atender uma série de necessidades da sociedade, fornecendo inclusão financeira e acesso às comunidades sem e sem banco, por meio da redução de custos, proporcionando liquidação quase em tempo real e abrindo o mercado para mais inovação. Esperamos ansiosamente colaborar com os membros atuais e futuros da associação, enquanto trabalhamos para servir as comunidades carentes, permitindo a inclusão financeira.”

As cartas dos senadores poderiam realmente ter influenciado os gigantes de pagamento a desistir, sugeriu Juan M. Villaverde, analista de cripto da Weiss Ratings.

Em um email enviado ao Cointelegraph, ele argumentou: “As empresas simplesmente procuram evitar qualquer escrutínio indesejável. Elas não querem estar na mira dos reguladores." Além disso, Villaverde mencionou que a reação pode ser estendida a outras áreas além dos provedores de pagamento:

"Não acho que a reação regulatória se limite apenas aos provedores de pagamento. Se os governos insistirem na suspensão desse projeto, eles terão como alvo qualquer empresa de grande nome que queira ingressar na Libra Association".

Portanto, quase qualquer membro da Libra Association, particularmente aqueles que conduzem seus negócios nos EUA, não está totalmente seguro de receber ameaças semelhantes dos reguladores.

Um modelo centralizado adotado por Libra pode ser o ponto mais fraco do Libra, à medida que os membros se tornam fáceis de escolher para os reguladores. O analista concluiu:

“Se os reguladores conseguirem que as empresas fiquem fora da Libra Association, o projeto estará morto. É por isso que a descentralização e a falta de permissão são importantes no DLT. Esse 'vetor de ataque' não existe no Bitcoin ou no Ethereum.”

Libra diz que não está "em risco" - mais de 1.500 membros estão dispostos a participar

O Facebook parece estar calmo, apesar das recentes perdas. Em 15 de outubro, dias após uma série de partidas de alto nível, Bertrand Perez, diretor de operações e diretor interino da Libra Association, reafirmou que ainda está confiante de que 100 membros terão ingressado no grupo quando o projeto for lançado.

Embora Perez não tenha mencionado players específicos que possam ingressar na associação em um futuro próximo, ele provocou alguns anúncios sobre a associação "nos próximos meses".

O cronograma para o lançamento de Libra - originalmente direcionado para o primeiro semestre de 2020 - pode ser reagendado, jpa que o grupo está trabalhando para cumprir os regulamentos. Ele terminou ecoando o comentário de Zuckerberg sobre o assunto.

Em um comunicado à imprensa compartilhado com o Cointelegraph, a Libra Association mencionou que "mais de 1.500 entidades indicaram interesse em participar do esforço do projeto Libra, e aproximadamente 180 entidades atenderam aos critérios preliminares de associação".

Segundo Villaverde, não há membros insubstituíveis da Libra Association "além do próprio Facebook ":

"A realidade é que o modelo de consenso federado do Libra pode ser executado com apenas 15 membros. Veja o Hedera Hashgraph, por exemplo. O pior cenário para o Libra é que eles terão que atenuar suas ambições."

Antoni Trenchev, cofundador da empresa de empréstimos de cripto Nexo, disse ao Cointelegraph que sua companhia está pronta para ingressar na associação e definir as fundações "há muito tempo".

De acordo com Trenchev, por enquanto, porém, a empresa está aguardando a regulamentação e a poeira baixar, dizendo: “Definitivamente, esperávamos que o Facebook fizesse mais trabalho braçal antes de começar a trabalhar a todo vapor”.

Contudo, a situação atual pode ser vista como uma prova de fogo para o Facebook. Trenchev continuou:

“Acreditamos que eles aprenderão com este passo em falso e mudarão essa mentalidade, evitando o pensamento de futuro com céu de brigadeiro. As entidades também terão tempo suficiente para avaliar tudo, em vez de tomar decisões precipitadas, o que beneficiará a todos no longo prazo.”

Além disso, mesmo que a situação atual possa parecer dramática, há uma chance de as empresas que estão saindo agora reconsiderarem sua posição em relação ao Libra mais tarde.

Villaverde disse ao Cointelegraph: "Elas têm medo da reação regulatória em todo o mundo. Depois que a poeira baixar na frente regulatória, não se surpreenda que voltem ao baile."

Essa suposição coincide com a posição atual do Facebook. Em uma entrevista ao Yahoo Finance em 15 de outubro, David Marcus, da Calibra, argumentou que o Libra "definitivamente não está" em risco depois que PayPal, Visa, Mastercard, Stripe, eBay, Mercado Pago e Booking Holdings deixaram a associação.

Notavelmente, ele também enfatizou que as empresas fora da associação formal ainda poderão oferecer serviços na plataforma, incluindo as que deixaram o grupo:

"Uma coisa que parece não ter sido bem entendida é que você não precisa ser membro da Libra Association para criar serviços e produtos. Portanto, se Visa e Mastercard desejam emitir cartões para a carteira Libra posteriormente, eles ainda podem fazê-lo sem serem membros da associação.”

OpenLibra - um fork sem permissão tentando superar o projeto liderado pelo Facebook

Enquanto o Facebook continua tentando sair do pântano regulatório, a concorrência tenta ativamente aproveitar o momento.

A moeda digital sancionada pelo governo da China, a stablecoin própria do Walmart, o projeto Venus da Binance e o EuroCoin são apenas alguns exemplos de como governos e empresas privadas estão desenvolvendo ou pesquisando moedas do tipo do Libra.

O exemplo mais recente, no entanto, vem de terceiros. Em 8 de outubro, Lucas Geiger, cofundador da Wireline, startup de infraestrutura de blockchain, anunciou o OpenLibra - um fork sem permissão da planejada stablecoin do Facebook.

Segundo o site do projeto, o OpenLibra pretende se tornar "uma alternativa ao Libra do Facebook, que enfatiza a governança aberta e a descentralização econômica".

“Os governos da OCDE estarão focados em seus próprios resultados e, na realidade, têm pouco poder legislativo para alavancar uma força transnacional como a Libra do Facebook. Por esse motivo, estamos criando o OpenLibra.”

De acordo com sua página no Github, o OpenLibra replica o código-fonte aberto do Libra, mas o adota para o software blockchain da Tendermint. Isso faz pouco sentido, diz Villaverde, já que o código do Libra em si não é o que torna o projeto tão importante.

"O Libra não tem nada de especial do ponto de vista tecnológico", disse ele ao Cointelegraph, prosseguindo:

“Stellar, Hedera Hashgraph e XRP rodam em modelos de consenso muito semelhantes. O que diferencia o Libra é o calibre das empresas que desejam fazer parte de seu consenso federado.”

Isso torna difícil para qualquer outra empresa replicar a iniciativa, pois seu sucesso e apoio às empresas multibilionárias não podem ser bifurcadas, ao contrário da tecnologia de ledger distribuído que sustenta o sistema.

Villaverde acrescentou: "A menos que eles também apoiem ​​o OpenLibra - o que não apoiarão - o OpenLibra pode se tornar o equivalente ao Ethereum Classic, uma demo do Ethereum".

Michael Borowiec, líder de comunicações da plataforma de aplicativos blockchain Lisk.io, concordou com esse ponto. "A adoção em massa do Libra teria que vir daqueles grandes parceiros que dariam à blockchain do Libra um sentimento de legitimidade que você perde assim que perde esses grandes parceiros", disse ele ao Cointelegraph.

Ironicamente, o OpenLibra também teve um começo difícil: logo após o anúncio, a mídia de nicho informou que Geiger, fundador do projeto, deturpou pelo menos quatro indivíduos e organizações envolvidas no projeto. A OpenLibra não respondeu ao pedido de comentário do Cointelegraph.