CEO da Coinbase diz que pressão do Senado sobre a Libra Association é algo 'antiamericano'

O CEO da Coinbase criticou os senadores dos Estados Unidos por pedirem à Stripe, Mastercard e Visa que deixem o projeto de cripto do Facebook, o Libra.

"Algo parece bastante antiamericano nisso tudo"

Depois que os senadores dos EUA, Brian Schatz e Sherrod Brown, aparentemente pressionaram os gigantes dos pagamentos a deixar o Libra, Brian Armstrong, cofundador e CEO da principal exchange de criptomoedas dos EUA, a Coinbase, chamou a ação para o "antiamericanismo" em um "tuíte" em 13 de outubro.

Armstrong escreveu:

“Algo parece muito pouco americano nisso tudo. Dois senadores escrevendo para Visa, Mastercard e Stripe para pedir que se retirem do Libra.”

Carta dos senadores pressiona gigantes de pagamentos a deixar o Libra

Em 8 de outubro, os senadores Schatz e Brown enviaram cartas públicas a Patrick Collinson, CEO da Stripe, Ajaypal Banga, CEO da Mastercard e a Alfred Kelly, CEO da Visa, sobre sua participação no projeto Libra, liderado pelo Facebook.

Em três cartas distintas, os senadores ameaçaram os gigantes dos pagamentos a impor um escrutínio regulatório não apenas nas atividades de pagamento relacionadas ao Libra, mas em todas as suas atividades de pagamento. Os senadores escreveram:

“O Facebook está tentando alcançar esse objetivo deslocando os riscos e precisa criar novos regimes de conformidade para membros regulamentados da Libra Association como suas empresas. Se você aceitar isso, poderá esperar um alto nível de escrutínio dos reguladores, não apenas nas atividades de pagamento relacionadas ao Libra, mas em todas as atividades de pagamento.”

Senadores citam denúncias de abuso sexual infantil no Facebook

Nas cartas, os senadores citaram relatos sobre o suposto envolvimento do Facebook em facilitar a distribuição de conteúdo de abuso sexual infantil como uma razão para não confiar na gigante da mídia social para liderar uma iniciativa como o Libra.

Os senadores alegaram que 12 milhões dos 18,4 milhões de relatos de fotos e vídeos de abuso sexual infantil em todo o mundo em 2018 foram atribuídos ao Facebook Messenger.

A carta diz:

“É arrepiante pensar no que poderia acontecer se o Facebook combinasse mensagens criptografadas com pagamentos globais anônimos incorporados via Libra. Suas empresas devem ser extremamente cautelosas ao seguir em frente com um projeto que previsivelmente alimentará o crescimento da atividade criminal global.”

Após as cartas dos senadores, Visa, eBay, Stripe e Mastercard anunciaram que estão deixando a Libra Association do Facebook e seu projeto de stablecoin em 11 de outubro. Outro importante processador de pagamento, o PayPal, retirou-se oficialmente da associação em 3 de outubro.

Conforme relatado, o CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, testemunhará no Comitê de Serviços Financeiros da Câmara dos Deputados em 23 de outubro sobre o projeto proposto da stablecoin Libra.