Libra Association realiza reunião inaugural e forma conselho de administração

A Libra Association, consórcio da criptomoeda proposta pelo Facebook, realizou sua reunião inaugural hoje em Genebra, na Suíça.

De acordo com um relatório da Reuters em 14 de outubro, o consórcio reafirmou seu interesse em criar uma moeda orientada para pagamentos que seria equilibrada por uma união de várias moedas fiduciárias supostamente estáveis.

Associação Libra estabelece regras de governança

Além de declarar explicitamente seu interesse no projeto, os 21 membros do consórcio também formaram um conselho de cinco membros e concordaram em celebrar contratos temporários que, de acordo com a lei suíça, devem descrever como a organização será conduzida.

A maioria das decisões importantes exigirá uma votação majoritária do conselho, enquanto as alterações propostas para a composição ou gestão da reserva devem passar por maioria de dois terços.

O conselho de cinco membros é composto por David Marcus, do Facebook, representantes das organizações sem fins lucrativos Kiva Microfunds, PayU, Andreessen Horowitz, empresa de capital de risco e Xapo Holdings Limited.

Membros desistem da Associação Libra

A reunião de hoje em Genebra segue uma série de desistências de ex-membros do consórcio. Hoje, a Booking Holdings, proprietária dos sites de viagens booking.com, priceline.com, agoda.com e Kayak, se retirou da Libra Association.

Outras grandes empresas relacionadas a pagamentos deixaram a associação, incluindo Mastercard, Visa, eBay, Stripe e PayPal. Segundo a Reuters, a única empresa de pagamentos remanescente na Associação Libra é a PayU, sediada na Holanda, que supostamente não opera nos Estados Unidos, Canadá e em muitas áreas da África e do Oriente Médio.

Causa para otimismo?

Aparentemente, a Libra Association continua otimista em relação ao andamento do projeto. Dante Disparte, chefe de políticas e comunicações da Libra Association, disse à Reuters que o recente vôo de grandes apoiadores é “uma correção; não é um revés.” No entanto, Disparte admitiu ainda que a moeda pode sofrer atrasos, já que os reguladores continuam examinando o projeto.

Na manhã de 15 de outubro, o secretário do Tesouro dos Estados Unidos, Steven Mnuchin, disse que as empresas deixaram o Libra porque não estavam "à altura" dos padrões americanos de combate à lavagem de dinheiro. Mnuchin acrescentou que, se o projeto não for compatível quando for lançado, poderá resultar em ação da Rede de Execução de Crimes Financeiros, que está sob a alçada do Tesouro.

O CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, deve testemunhar sobre o projeto perante o Comitê de Serviços Financeiros da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos, em uma audiência intitulada "Exame do Facebook e seu impacto nos setores de serviços financeiros e habitação."