Executivo do JPMorgan Chase: Inovadores cripto terão que 'usar um banco pra movimentar fundos'

Ron Karpovich, Diretor Global de Soluções de eCommerce no JPMorgan Chase, declarou que existe "mais parceria que competição" entre o establishment financeiro e inovadores cripto quando falamos do espaço de pagamentos. Karpovich deu essa declaração durante uma entrevista ao Squawk Box da CNBC nesta quarta, 20 de março.

Em resposta a uma pergunta do apresentador da CNBC sobre como o gigante bancário está se preparando para competir com atores novos e inovadores que podem alavancar a blockchain e as criptomoedas para oferecer os mesmos serviços que o tradicional guardião, mas a taxas mais baixas, Karpovich disse:

“Por trás das cortinas, eles [inovadores cripto] terão que usar um banco pra movimentar fundos. Há mas parceria que competição neste espaço. [...] Quando falamos de margens e capacidades - pagamentos nunca são algo que crescem em uma margem, ninguém quer pagar por um pagamento. Essa é uma das partes mais difíceis do processo:  você tem recursos limitados na capacidade de vender, então você precisa de players altamente eficientes e grandes. ”

Karpovich então atribuiu o alto grau de "consolidação no espaço de pagamentos" ao requisito primordial de oferecer eficiência na capacidade de efetuar pagamentos.

Em outros comentários, Karpovich notou que enquanto a blockchain pode mesmo revolucionar as indústrias de pagamento, os consumidores no futuro podem não perceber o registro da transformação, já que a tecnologia pode muito bem se desenvolver em uma tecnolgoia back-end que simplesmente oferece eficiência no tempo e custo de serviços.

Sobre o recente anúncio da moeda do JPMorgan Chase baseada em blockchain JPM Coin, Karpovich refutou a sugestão de que a iniciativa representa uma volta atrás na posição do banco no espaço cripto — já que o antagonismo notório do CEO Jamie Dimon  com relação ao Bitcoin (BTC) particularmente:

“Acho que existe uma diferença entre negociar uma criptomoeda que está em um mercado ambíguo e usar a tecnologia para aprimorar sua estrutura de pagamento. Nós enxergamos a tecnologia como um meio para tornar as coisas mais rápidas e baratas: todo CEO gostaria de tornar as coisas mais rápidas e baratas. Então, a partir desse ponto de vista, acho que representa que compramos o conceito de uso da blockchain."

Isso, ele completa, está alinhado com as iniciativas contínuas do JPMorgan Chase, já que Karpovich considera que o banco pode ser "um grande ator do espaço blockchain", citando a plataforma blockchain privada do banco Quorum e sua parceira baseada na Quorum Interbank Information Network.

Como já noticiado, respostas à JPM Coin foram variadas com alguns considerando o desenvolvimento como altamente positiva para a indústria cripto como um todo, e outros criticando sua estrutura de rede fechada e de propriedade, argumentando que ela vai perpetuar a fragmentação do setor financeiro.