Jamie Dimon comenta sobre o Bitcoin mais uma vez, diz que está pouco se f*dendo para ele

Na véspera do 10º aniversário do livro branco da Bitcoin (BTC), 30 de outubro, o CEO do JPMorgan, Jamie Dimon, se viu falando novamente sobre a criptomoeda líder, apesar de seu histórico de tentativas de se livrar do debate.

Como a CNBC informou em 31 de outubro, Dimon fez seus comentários "relutantes" na conferência Axios em Los Angeles na terça-feira. Referindo-se à sua agora notória declaração de que a invenção de Nakamoto é pouco mais do que uma "fraude", o CEO disse à platéia:

“Eu nunca mudei o que eu disse, só me arrependo de ter dito isso. Eu não queria ser o porta-voz do Bitcoin. Eu realmente estou pouco me f*dendo para ele, esse é o ponto. O Blockchain é real, é tecnologia, mas o Bitcoin não é o mesmo que uma moeda fiduciária”.

Como publicado anteriormente, a história tortuosa de Dimon com o Bitcoin remonta a setembro de 2017, quando sua retórica crítica causou uma queda acentuada no preço do ativo.

Depois de se comprometer a manter silêncio obre o assunto, em janeiro deste ano, o CEO novamente se envolveu na conversa sobre Bitcoin, dizendo que lamentava sua escolha anterior de palavras, ao mesmo tempo em que reafirmava sua indiferença declarada.

Apesar da ambivalência do CEO, figuras importantes do gigante dos bancos insinuaram uma postura potencialmente mais receptiva em relação ao espaço cripto, embora os sinais da instituição em relação à cripto sejam misturados de forma retumbante.

Como o último comentário de Dimon sugere, o JPMorgan é mais diretamente pró-blockchain: um estudo sobre a transformação digital do JPMorgan, publicado no início deste mês, ressaltou que blockchain representa uma tecnologia fundamental para o roteiro do banco.

No final de setembro, o JPMorgan expandiu sua plataforma de pagamento baseada em blockchain para mais de 75 bancos multinacionais, como parte de uma oferta coletiva para evitar a concorrência de fora do setor bancário.