O que são stablecoins e porque elas podem ser uma solução e um problema ao mesmo tempo

Connor Blenkinsop
30 NOV 2019
O que são stablecoins e porque elas podem ser uma solução e um problema ao mesmo tempo

Cointelegraph

1.

O que são stablecoins?

Stablecoins (moedas estáveis) são um novo tipo de criptomoeda que geralmente tem seu valor atrelado a outro ativo.

Essas moedas podem ser atreladas a moedas fiduciárias (como o dólar dos EUA ou o real), outras criptomoedas, metais preciosos ou a uma combinação de todos esses. A opção do fiduciário parece ser a mais popular no mercado atualmente, o que significa que uma unidade de uma stablecoin é igual a US$ 1 ou R$ 1.

As stablecoins são projetadas para combater a volatilidade inerente observada nos preços das criptomoedas. Elas normalmente são colateralizadas (garantidas), o que significa que o número total de stablecoins em circulação é lastreado por ativos mantidos em reserva. Simplificando, se houver circulação de moedas atreladas a US$ 500.000, deve haver pelo menos US$ 500.000 em um banco.

Com o Bitcoin sofrendo quedas bruscas e ganhos repentinos, os defensores das stablecoins acreditam que elas ajudam a eliminar a dúvida sobre as taxas de conversão - tornando as criptomoedas mais práticas para a compra de bens e serviços.

Exemplos de stablecoins mais conhecidas incluem Tether (USDT), trueUSD (TUSD), Demini Dollar (GUSD) e USD coin de Circle e Coinbase (USDC). A demanda por essas moedas vem crescendo. Em dezembro do ano passado, o Cointelegraph informou que quatro grandes stablecoins haviam batido US$ 5 bilhões em transações na blockchain em apenas três meses - um aumento de incríveis 1.032% em novembro, em comparação com os dois meses anteriores.

2.

Então, como elas funcionam?

Como seu nome sugere, as stablecoins são projetadas para ter um preço ou valor consistente ao longo do tempo.

Existem três maneiras diferentes de conseguir isso: oferecer um meio justo entre oferecer a estabilidade das moedas fiduciárias e os benefícios descentralizados que as moedas virtuais fornecem. Sem as stablecoins, a contratação de um empréstimo com o uso de cripto como garantia pode ser arriscada, pois os ativos usados ​​para garantir seu empréstimo podem perder o valor totalmente em um curto espaço de tempo. Da mesma forma, imagine como seria receber seu salário em cripto se os preços caíssem inesperadamente. No mundo real, seria como descobrir de repente que o leite subiu de R$ 1 para R$ 3, o que significa que seu dinheiro vai muito menos agora.

O primeiro tipo de stablecoin é colateralizado (garantido) por fiduciário. Para cada stablecoin emitida, US$ 1 é mantido com segurança por um serviço de custódia central, como um banco. Isso significa que, em teoria, você deve poder trocar entre os dois sem esforço, sem grandes despesas. Em outros casos, as commodities foram apontadas como uma forma de colateralizar a cripto, com o governo da Venezuela divulgando planos de lançar o Petro - uma moeda cujo valor deveria ser vinculado a um barril de petróleo. Infelizmente, o lançamento do Petro foi adiado por muito tempo e, como o Cointelegraph relatou, teve um sucesso morno.

Em seguida, você tem stablecoins garantidas por criptomoeda. "Espera aí!", você grita. “Isso não significa que a volatilidade dos preços ainda é possível?!” Até certo ponto, sim - mas alguns provedores tentam resolver esse problema por “sobrecolateralização”, o que significa que US$ 2 em cripto são depositados em um custodiante por cada US$ 1 de uma stablecoin . Isso pode ajudar a manter a descentralização ativa, com as reservas de cripto absorvendo o impacto de quaisquer flutuações, mas a desvantagem é que enormes podem ser necessárias quantidades de capital para tirá-las do papel.

Por fim, existem stablecoins não colateralizadas, que derrubam a ideia de se ter reservas por completo. Nesses tipos de ativos, os contratos inteligentes assumem uma função não muito diferente de um banco de reservas. Eles monitoram a oferta e a demanda - comprando moedas circulantes quando os preços estão muito baixos e emitindo novas quando os preços estão ficando muito altos. O objetivo final é manter os preços alinhados com os de um ativo indexado, como o dólar americano.

Independentemente do tipo de método usado, é importante notar que a estabilidade é mais um objetivo do que um recurso inseparável.

3.

Por que elas ficaram tão populares?

Porque elas eliminam a incerteza para os consumidores, principalmente em relação às conversões.

As stablecoins oferecem o tipo de previsibilidade que muitos países lutam para alcançar com suas moedas nacionais - por isso a Venezuela, combatendo a hiperinflação e a instabilidade política, decidiu lançar sua própria criptomoeda.

As stablecoins oferecem aos proprietários um porto seguro para armazenar seus ativos sempre que no mundo das criptomoedas as águas começarem a ficar muito agitadas. Os consumidores podem converter rápida e facilmente de criptomoedas não atreladas para stablecoins ​​quando se preocupam com o destino dos mercados, eliminando a necessidade de voltar a uma moeda fiduciária. Essas conversões também podem ser menos dispendiosas do que quando se alterna entre criptomoeda e fiduciário, uma vez que as taxas de transação dos provedores de processamento de pagamentos e bancos são excluídas da equação.

No começo de abril, o Tether alcançou uma alta histórica de transações diárias - e, de acordo com o CoinMarketCap, a stablecoin está pisando nos calcanhares do Bitcoin, com volumes de negociação informados de US$ 9,4 bilhões em comparação aos US$ 10,2 bilhões do BTC.

Parte da crescente popularidade do stablecoin também pode estar relacionada ao modo como as trocas de criptomoedas, o principal ponto de acesso para muitos consumidores, estão começando a entrar em ação - aumentando a conscientização. Foi anunciado recentemente que a OKEx, sexta maior exchange cripto, planejava lançar sua própria stablecoin. E a Binance, a maior exchange cripto do mundo, vem expandindo agressivamente os pares de negociação que oferece. Em novembro, ela mudou o nome de seu mercado de Tether (USDT) para mercado stablecoin (Stablecoin Market) - e posteriormente anunciou que listaria uma série ainda mais ampla de stablecoins. Explicando seu raciocínio em um post de janeiro, a Binance disse: "Nos últimos meses, o espaço de stablecoin evoluiu muito rapidamente".

4.

As stablecoins não têm nenhum tipo de controvérsia?

Não - e isso em parte se deve a questões de transparência que foram respondidas.

O Tether é uma das stablecoins mais conhecidas que atraiu controvérsia por várias razões nos últimos anos. Um estudo realizado por acadêmicos afirmou que a moeda foi usada para "manipular os preços das criptomoedas" durante o boom de 2017, com pesquisadores até afirmando que metade do preço do Bitcoin em dezembro daquele ano era atribuível à stablecoin.

Também foram levantadas questões sobre se o Tether tem dólar suficiente em reserva para garantir todas suas stablecoins ​​- porém, uma auditoria não oficial em junho de 2018 pareceu confirmar que suas reservas estavam em ordem. Alarmes também soaram para alguns entusiastas de cripto em março de 2019, quando o Tether pareceu dirimir as alegações de que sua stablecoin (não) era totalmente colateralizada por dólares americanos.

Outros defensores da stablecoin - como Jeremy Allaire, da Circle, que lançou o USDC no outono de 2018 - pediram por um "padrão aberto que muitas empresas possam implementar". Ele acrescentou que níveis mais altos de autogovernança dariam tranquilidade aos usuários, ajudariam a tokenizar a economia global e resultaria em um ecossistema unido para a indústria de cripto que representaria uma alternativa mais atraente ao fiduciário.

Outros críticos argumentam que a existência de stablecoins tem o potencial de minar as criptomoedas normais, que têm trabalhado duro para desenvolver sua própria economia e agregar valor por muitos anos. E, embora elas tenham o objetivo de agir como um porto seguro para os consumidores de cripto, o fato de que as stablecoins atreladas oferecerão pouco ou nenhum ganho financeiro provavelmente será considerado uma grande desvantagem para alguns.

5.

Quem mais emite stablecoins?

Todo mundo - de bancos a redes sociais - está entrando na jogada.

Embora o CEO do JPMorgan Chase pareça ter chamado o Bitcoin de chamar o Bitcoin de “fraude”, o banco dos EUA divulgou recentemente planos para lançar uma stablecoin para acelerar os tempos de liquidação quando as transações estão ocorrendo internacionalmente.

Embora alguns comentaristas de criptomoedas considerassem o passo do gigante financeiro como um toque de endosso ao potencial das stablecoins, outros - como o CEO da Ripple - atacaram o "JPM Coin" por sua falta de interoperabilidade, o que significa que é improvável que outros bancos adotem o tecnologia. Anthony Pompliano, fundador do Morgan Creek Digital Capital, foi mais além - usando seu podcast para alertar que "devemos fazer tudo o que estiver ao nosso alcance para impedir que o JPMorgan Chase seja bem-sucedido, pois isso significaria confiar em um banco de Wall Street "que já havia sido acusado de crimes".

Em outros lugares, a IBM lançou seu World Wire, movido à blockchain, em colaboração com a Stellar (emissora do XLM) - também com o objetivo de construir uma rede de pagamentos transfronteiriços. Aqui, os bancos internacionais podem criar suas próprias stablecoins apoiadas por sua moeda fiduciária local - e instituições de Brasil, Coreia do Sul e Filipinas já demonstraram interesse até o momento.

Não poderíamos encerrar sem mencionar o Facebook, que teria contratado dezenas de engenheiros para desenvolver uma stablecoin atrelada a fiduciário, que os usuários poderiam confiar para pagar seus amigos e familiares em todo o mundo. Isso poderia fazer com que a rede social causasse um terremoto no setor de remessas, permitindo que trabalhadores estrangeiros transferissem dinheiro com taxas mais baixas. O "Facebook Coin" pode ser uma bênção para a empresa que envolta em problemas, enquanto tenta afastar os escândalos de (falta de) privacidade e encontrar fontes de receita além da publicidade. De acordo com a CNBC, um analista acredita que a stablecoin poderia gerar uma receita adicional de US$ 19 bilhões até 2021, caso os planos se concretizem.

6.

As stablecoins podem alcançar uma descentralização de verdade?

Certos fornecedores acreditam que chegaram a um meio termo.

Alguns defensores da stablecoin estão preocupados com o fato de que vincular uma criptomoeda diretamente ao dólar americano significaria que ela deve inevitavelmente ter laços com o sistema bancário dos EUA.

Isso significa que eles precisam confiar em uma infraestrutura centralizada - algo que Satoshi Nakamoto queria evitar quando expôs sua visão mais de uma década atrás.