New York Times: Facebook trabalha em 'Facebook Coin' com exchanges de criptomoedas

O Facebook "espera ter sucesso onde o Bitcoin falhou" com seu projeto altamente secreto de criptomoeda, informou um artigo publicado no New York Times (NYT) desta quinta-feira, 28 de fevereiro.

Citando diversas fontes que falaram sob a condição de anonimato, o Times reúne os supostos contornos do projeto, que terá como objetivo integrar os pagamentos de criptomoedas aos serviços de mensagens da rede social.

O Facebook planeja reformular sua infraestrutura de mensagens e integrar os três aplicativos sob sua propriedade: WhatsApp, Messenger e Instagram. Como o Times observa, isso significaria um novo cripto token disponível para os 2,7 bilhões de usuários mensais dos três serviços.

O Times observa ainda que um sistema de pagamentos baseado em criptomoedas que opere dentro de um sistema de mensagens é uma ideia que vem sendo perseguida por vários gigantes globais de mensagens, como o Kakao da Coréia, o Line no Japão e o Telegram, desenvolvido na Rússia.

De acordo com o NYT, o Facebook lançou seu projeto de criptomoeda - liderado pelo ex-presidente do PayPal, David Marcus - logo depois que o Telegram levantou cerca de US$ 1,7 bilhão em duas rodadas privadas de oferta inicial de moedas (ICO) para sua plataforma blockchain, o Telegram Open Network (TON).

O Facebook empregou mais de 50 engenheiros para desenvolver sua criptomoeda, disseram três fontes anônimas ao NYT. Outros dois disseram ao jornal que a importância de manter o projeto em segredo é tal que a equipe está trabalhando em um escritório com acesso de cartão-chave separado a fim de manter os detalhes privados de outros funcionários.

Cinco fontes do NYT informaram que a futura moeda poderia ser uma stablecoin vinculada ao valor de três diferentes moedas fiat, ao invés de apenas uma.

De acordo com as fontes anônimas, o Facebook já começou a comprar a “moeda do Facebook” em torno de exchanges de criptomoedas não informadas.

A questão da centralização - e até que ponto o Facebook permitirá que suas transações com moedas digitais sejam descentralizadas - permanece irrelevante, de acordo com o NYT. Além disso, o Times cita especialistas do setor argumentando que o Facebook provavelmente enfrentará as mesmas limitações tecnológicas e obstáculos regulatórios que afetaram as criptomoedas, como o Bitcoin (BTC).

Conforme informado, relatórios não confirmados de planos do Facebook para integrar uma criptomoeda aos usuários do WhatsApp já haviam sido divulgados em dezembro de 2019. Na época, fontes anônimas sugeriram de forma similar que o token seria uma stablecoin.

Como informado pelo Cointelegraph, o fluxo de informações sobre o projeto está alinhado com as vagas de empregos para talentos blockchain divulgadas no ano passado na página de carreiras do Facebook.