Polícia de Uganda detém diretor de suposto esquema de Ponzi de criptomoeda de US$ 2,7 milhões

A polícia de Uganda deteve Samson Lwanga, um dos diretores do suposto esquema de pirâmide de criptomoedas Dunamiscoins Resources Limited.

Como noticiou a publicação local Daily Monitor em 9 de dezembro, a polícia prendeu Samson Lwanga, um dos quatro diretores da Dunamiscoins. A empresa em questão é supostamente um golpe de criptomoeda, que envolveu mais de 10.000 pessoas e supostamente conseguiu fraudar vítimas em 10 bilhões de xelins ugandenses (US$ 2,7 milhões).

Investigação do caso

Patrick Onyango, porta-voz da polícia metropolitana da capital do país Kampala, disse que a agência policial fez uma solicitação de inquérito geral e ainda está conduzindo as investigações sobre o caso. Onyango adicionou:

“Segundo ele (Lwanga), eles estão dispostos a reembolsar o dinheiro, mas o problema é que a Autoridade de Inteligência Financeira congelou suas contas. E eles não podem acessar ou sacar dinheiro. Entraremos em contato com a Autoridade de Inteligência Financeira para saber se o que Lwanga nos diz é verdadeiro sobre o congelamento das contas.”

Segundo Lwanga, a maioria das vítimas depositou somas entre 1 milhão de xelins (US$ 271) e 10 milhões de xelins (US$ 2.715).

Como o Cointelegraph relatou anteriormente, a Dunamiscoins convenceu as pessoas a ingressar na empresa prometendo 40% de retorno sobre os investimentos em dinheiro. A empresa supostamente trabalhava com empresas de transferência de dinheiro na cidade para recrutar novas pessoas para o esquema.

O Cointelegraph entrou em contato com um endereço de e-mail mencionado no site da Dunamiscoins e recebeu um aviso de que o endereço listado não foi encontrado.

Perigos dos esquemas de Ponzi cripto

No início deste ano, o vice-governador do Banco de Uganda, Dr. Louis Kaskende, alertou o público sobre as proteções limitadas oferecidas a eles quando investem em criptomoedas não regulamentadas.

Em suas observações, Kaskende esclareceu que o banco central não possui uma supervisão abrangente de todas as empresas e instituições de serviços financeiros e que sua supervisão normalmente se resume a bancos comerciais, instituições de crédito, agências de câmbio e provedores de serviços de remessa de dinheiro.

Os esquemas de pirâmide cripto ganharam popularidade entre os fraudadores e, às vezes, passam dos limites em atrair apenas potenciais investidores. Em meados de outubro, Jen McAdam, de Glasgow, afirmou que os apoiadores do suposto esquema de pirâmide OneCoin estão lhe enviando ameaças de morte, principalmente através do Facebook.