Relatório diz que fraude e roubo de criptomoedas resultaram em perdas de US$ 4 bilhões em 2019

Em 2019, o volume total de fraudes e roubos relacionados a criptomoedas resultou em perdas no valor de US $ 4,4 bilhões, de acordo com o relatório da CipherTrace para o terceiro trimestre de 2019.

Em seu “Relatório sobre lavagem de dinheiro de criptomoedas, terceiro trimestre de 2019”, a empresa de pesquisa de segurança CipherTrace investigou a conformidade das 120 exchanges de criptomoeda mais populares com os requisitos Know Your Customer (KYC) e contra lavagem de dinheiro (AML) e analisou padrões de crimes relacionados a criptomoedas.

Queda no volume de crimes cripto e padrões KYC fracos

De acordo com o relatório, o terceiro trimestre de 2019 registrou uma redução notável no total de crimes de criptomoeda em comparação com os trimestres anteriores e registrou suas mínimas de roubos e fraudes trimestrais em dois anos:

“Neste trimestre, os cibercriminosos roubaram US$ 6,5 milhões das exchanges de criptomoedas, enquanto fraudadores roubaram US$ 9 milhões dos usuários de criptomoedas em esquemas Ponzi. Esse total de US$ 15,5 milhões representa o menor número de crimes de criptomoeda de qualquer trimestre nos últimos anos. ”

No entanto, as perdas totais de roubo de criptomoedas no ano dispararam rapidamente desde 2018, já que os ladrões de criptos agora buscam quantias maiores. Os roubos de criptomoedas foram responsáveis por US$ 4,4 bilhões em perdas, contra US$ 1,7 bilhão no ano anterior.

Dois golpes específicos, o esquema PlusToken (US$ 2,9 bilhões) e o fiasco da exchange de criptomoedas QuadrigaCX (US$ 195 milhões) foram responsáveis pela grande maioria das perdas.

Das 120 exchanges cripto analisadas, 35% têm padrões KYC fortes, 41% têm padrões "porosos" e 24% têm padrões KYC fracos. 32% das 120 principais exchanges negociam moedas de privacidade.

Casos recentes de fraudes cripto de alto perfil

Os cibercriminosos estão desenvolvendo métodos novos e mais sofisticados para maquiar o fluxo de fundos. Em 26 de novembro, a empresa eslovaca de segurança de software Eset descobriu que os cibercriminosos por trás da botnet Stantinko estavam distribuindo um módulo de mineração da criptomoeda Monero (XMR) via Youtube. Esse malware que rouba criptomoedas já infectou cerca de 500.000 dispositivos.

Hoje, a principal exchange de criptomoedas sul-coreana Upbit - que é administrada por uma subsidiária da gigante coreana de tecnologia Kakao - notificou os usuários do roubo de 342.000 Ether (ETH) (mais de US$ 50 milhões no momento da impressão) de suas hot wallets. A exchange prometeu proteger os ativos dos usuários, declarando que os fundos perdidos serão cobertos por ativos corporativos.

No início deste mês, Gregg Bennett, uma vítima de hackers de clonagem de celular e investidor anjo, processou a exchange de criptomoedas Bittrex por supostamente permitir o roubo de quase US $ 1 milhão em Bitcoin (BTC).