URGENTE: Exchange de criptomoedas Upbit confirma roubo de 342.000 Ether, equivalentes a US$ 50 milhões

A Upbit, importante exchange de criptomoedas da Coreia do Sul e que é administrada por uma subsidiária da gigante coreana de tecnologia Kakao, notificou seus usuários do roubo de 342.000 Ether (ETH) de sua carteira quente.

O incidente foi confirmado em uma declaração oficial escrita por Lee Seok-woo, CEO da operadora da Upbit, a Dunamu, em 27 de novembro.

Upbit usará fundos corporativos para proteger os ativos dos usuários

Em sua declaração, Lee Seok-woo declarou:

“Às 13:06 de 27 de novembro de 2019, 342.000 ETH (aproximadamente 58 bilhões de won) foram transferidos da Upbeat Ethereum Hot Wallet para uma carteira desconhecida. O endereço da carteira desconhecido é 0xa09871AEadF4994Ca12f5c0b6056BBd1d343c029.”

Desculpando-se com os usuários por qualquer “inconveniente” causado, o CEO delineou as medidas que serão adotadas pela exchange após a detecção do incidente.

A exchange se comprometeu a proteger os ativos dos usuários, afirmando que os 342.000 ETH (aproximadamente US$ 50 milhões no momento desta publicação) serão cobertos por ativos corporativos. Ela já transferiu todos os criptoativos mantidos em sua carteira quente (on-line) para o armazenamento a frio (off-line).

Depósitos e saques levarão pelo menos duas semanas para serem retomados, com Lee Seok-woo prometendo informar os usuários quando eles estiverem novamente ativos.

O CEO indicou ainda que todas as outras transferências em larga escala recentes não eram anormais, mas estavam relacionadas à troca de ativos entre suas instalações quentes e de armazenamento.

Ameaças ativas

Em março deste ano, a Upbit e a empresa local de segurança cibernética East Security alegaram que um golpe de phishing direcionado a seus usuários havia sido cometido por hackers da Coreia do Norte.

Em janeiro de 2018, as quatro maiores exchanges cripto da Coreia do Sul - Bithumb, Upbit, Coinone e Korbit - criaram uma linha direta entre as grandes exchanges para garantir que transações suspeitas pudessem ser detectadas e congeladas imediatamente após serem descobertas.

Até o momento, a Bithumb sofreu três grandes violações de segurança, sendo mais a recente delas em março deste ano.