Regulador Financeiro de Malta nomeia a CipherTrace para monitoramento de compliance em empresas cripto

A Autoridade de Serviços Financeiros de Malta (MFSA) nomeou a empresa de segurança blockchain CipherTrace para monitorar as atividades das empresas de criptomoedass na Ilha, informou a agência de notícias local The Times of Malt nesta segunda-feira, 11 de março.

A CipherTrace será agora responsável por supervisionar os processos regulatórios e auditar o gerenciamento de risco dos negócios com ativos digitais licenciados em Malta, explicou o CEO da CipherTrace, Joseph Cuschier.

A empresa de segurança blockchain baseada nos Estados Unidoss ajudará a MFSA no combate à lavagem de dinheiro e ao risco de financiamento do terrorismo via entidades associadas aos cripto negócios.

Conforme informado, a MFSA opera na coordenação de interações com empresas relacionadas às criptomoedas, como operadores de oferta inicial de moedas (ICO na sigla em inglês) e exchanges de criptomoedas através de agentes financeiros virtuais (agentes VFA). Fornecendo uma ponte entre os cripto operadores e o regulador financeiro da Ilha, os agentes da VFA podem ser representados por advogados, contadores e auditores, que estão preparados para fazer a devida diligência das empresas de criptomoedas.

Em outubro de 2018, o Times de Malta informou que cerca de dois terços dos agentes VFA falharam nos exames de certificação para tornarem-se criptos agentes, apesar dos examinadores terem facilitado o teste revisando o esquema de avaliação.

Espera-se que a MFSA conceda aprovações aos agentes da VFA até o final de março de 2019. Uma vez aprovados, os agentes da VFA poderão enviar solicitações para operadores como exchanges de criptomoedas, carteiras e ICOs. Até o momento, pelo menos 29 dos possíveis agentes da VFA solicitaram uma licença, diz o artigo.

Recentemente, o Fundo Monetário Internacional (FMI) declarou que a MFSA tinha lacunas críticas em sua supervisão para o combate à lavagem de dinheiro (AML) e regulações de combate ao financiamento do terrorismo (CFT). A autoridade pediu medidas urgentes para proteger o setor financeiro e a economia em geral dos riscos da lavagem de dinheiro e financiamento do terrorismo.

No início de março, o Times of Malta informou que as empresas blockchain de Malta ainda enfrentam problemas com a abertura de contas bancárias. O CEO da CipherTrace, Dave Jevans, observou que os bancos frequentemente recusam negócios relacionados às criptomoedas e blockchain devido à falta de conhecimento sobre suas práticas.