Relatório: Empresas blockchain e cripto em Malta enfrentam dificuldades para encontrar serviços bancários

 

Empresas blockchain em Malta estão lutando pela abertura de contas bancárias, a agência de notícias local Times of Malta informou em 01 de março.

O Times of Malta supostamente contatou várias firmas de advocacia e empresas financeiras, que confirmaram que os bancos estavam recusando seus pedidos de abrir contas bancárias, dizendo que isso estava além de seu "apetite por risco". As fontes disseram que os bancos não diferenciavam moeda e blockchain, apesar de nem sempre estarem conectados.

O Secretário Parlamentar de Serviços Financeiros, Silvio Schembri, teria dito ao Times of Malta que alguns bancos estavam dispostos a abrir contas para as empresas de blockchain, mas não para as relacionadas com criptomoedas. Schembri disse que "é preciso fazer uma distinção clara entre operadores de blockchain e operadores de criptomoedas".

A Schembri está fazendo campanhas de conscientização com instituições financeiras “para ter uma melhor compreensão do setor”. Schembri disse:

“O entendimento geral é que, quando se trata de operadores de criptomoedas, os bancos estão esperando que as operadoras obtenham uma licença da MFSA (Autoridade de Serviços Financeiros de Malta) antes de abrir suas portas - o que é compreensível.”

Malta estabeleceu-se como um país blockchain e amigável em moeda digital e tornou-se conhecida como uma “ilha blockchain”. Recentemente, a MFSA emitiu uma consulta sobre segurança cibernética, sugerindo que o sistema de segurança cibernética da agência deveria obedecer aos padrões internacionais, incluindo diretrizes por Autoridade Bancária Europeia (EBA). A orientação destinou fundos profissionais que investem em moedas virtuais, emissores, bem como agentes e provedores de serviços para a Lei de Ativos Financeiros Virtuais (VFAA).

Em dezembro passado, Malta e seis outros estados membros da União Européia divulgaram uma declaração pedindo ajuda na promoção do uso da tecnologia de contabilidade distribuída (DLT) na região. Especificamente, o documento cita “educação, transporte, mobilidade, transporte, registro de terras, alfândega, registro de empresas e assistência médica” como serviços que podem ser “transformados” pelo DLT. O documento também cita o uso da blockchain tech para proteger a privacidade dos cidadãos e tornar os procedimentos burocráticos mais eficientes.