FDD avalia os riscos do uso de criptomoedas pelos países sob sanções dos EUA

A Fundação Americana para a Defesa das Democracias (FDD) publicou uma avaliação dos riscos atuais e futuros do uso de criptomoedas por países adversários aos Estados Unidos em um relatório publicado em 11 de julho.

No relatório, a agência delineia possíveis cenários futuros que tornariam a resistência às sanções da tecnologia blockchain uma ameaça maior. Especificamente, o FDD analisou como países como a Rússia, a China, a Venezuela e o Irã estão implantando tecnologia de criptomoedas e de que maneira esse fenômeno poderia influenciar as sanções dos Estados Unidos no futuro.

No relatório, o FDD adverte contra um cenário em que um dos países acima convence outros países a usar uma criptomoeda estatal baseada em uma exportação de commodities importante, como o petróleo, as sanções seriam muito mais difíceis de aplicar. 

Outro cenário de preocupação surgiria se um adversário fizesse progressos na criação de uma infraestrutura de carteira para criptoativos na qual seus cidadãos pudessem manter e negociar a criptomoeda, bem como usá-la para transações com empresas locais.

O relatório adverte ainda contra o sucesso do adversário dos EUA com a tecnologia blockchain em seu sistema bancário doméstico, a ponto de poder integrar sua plataforma aos setores do sistema financeiro de outras nações. O FDD também identificou a seguinte ameaça:

“Uma criptomoeda independente como Bitcoin [BTC] ganha ampla adoção no comércio e se torna mais relevante para o sistema financeiro global. Então, um adversário dos EUA começa a construir reservas significativas na criptomoeda. O estado, portanto, usa suas participações para ganhar mais influência no sistema financeiro global ”.

Enquanto isso, o parlamento russo, a Duma do Estado, adiou novamente a adoção da do Bitcoin no país já que o  "Digital Financial Assets" (DFA) foi adiado até a sessão de outono, na medida que as autoridades não conseguiram chegar a uma posição comum sobre o destino das criptomoedas na Rússia.

O Bacno Central da China está declaradamente desenvolvendo sua própria criptomoeda em resposta ao Libra do Facebook, já que este último poderia representar uma ameaça ao sistema financeiro do país. Notavelmente, os planos do banco vêm em um momento em que a China adotou uma linha dura em direção ao comércio de criptomoedas, com instituições financeiras banindo o comércio de Bitcoin, ofertas iniciais de moedas e exchange de criptoativos.

Em meados de maio, o Cointelegraph informou que a Venezuela estava considerando fechar acordos comerciais mútuos com a Rússia usando o rublo, bem como a criptomoeda Petro , subsidiada pelo petróleo da Venezuela, um projeto controverso que foi lançado pela primeira vez em fevereiro de 2018.

No Irã, a compra e venda de criptomoedas é ilegal, como anunciou o vice-governador de novas tecnologias do Banco Central do Irã, Nasser Hakimi . Em 6 de julho, o ministro adjunto iraniano da Indústria, Comércio e Abastecimento declarou que o Congresso dos Estados Unidos estava trabalhando para impedir o acesso do Irã as criptomoedas e a mineração de Bitcoin, na tentativa de evitar a evasão de sanções.