FBI e polícia israelense derrubam site de listagens da Darknet habilitado para Bitcoin

A polícia israelense e o Federal Bureau of Investigation (FBI) dos Estados Unidos prenderam pelo menos dois homens e denunciaram outras pessoas após a retirada do ar de um site de listagens da darkweb habilitado para Bitcoin, anunciou a força policial israelense em dois tuítes oficiais em 7 de maio.

A polícia revelou que uma investigação transfronteiriça localizou com sucesso vários suspeitos que supostamente fundaram e administraram um site da darknet - identificado como Deep Dot Web em reportagens da mídia local - que foi declaradamente um recurso para encontrar mercados clandestinos ilegais. Esses sites de listagens vendem produtos ilícitos, como drogas, armas ou cartões de crédito roubados, alegou a polícia.

Em um segundo tuíte, o anúncio continuou a esboçar que:

“Os proprietários do site arrecadaram milhões de dólares por meio de um método de 'marketing afiliado', ganhando assim por cada venda feita através deles. O pagamento das transações foi realizado usando o Bitcoin. Os dois suspeitos presos em Israel serão levados perante um juiz para uma audiência sobre a potencial prorrogação de sua detenção.”

Enquanto a polícia israelense confirmou a prisão de dois indivíduos com idade em torno dos 30 anos nas cidades de Tel Aviv e Ashdod, o jornal israelense JPost e a mídia de tecnologia Tech Crunch informaram que outras prisões relacionadas também foram feitas por investigadores estrangeiros na França, Alemanha, Holanda e até mesmo no Brasil.

Conforme relatado, os mercados da darknet são acessados ​​usando serviços como o navegador Tor, que usa o chamado roteamento em cebola - uma tecnologia para troca de informações anônimas - para que os usuários possam permanecer ocultos e driblar a censura disfarçando seu endereço IP.

As prisões no Deep Dot Web seguem uma operação conjunta da polícia alemã e da Europol na semana passada para derrubar o mercado da darkweb Wall Street Market. A ação resultou na apreensão de milhões em dinheiro, informou valores de seis dígitos em criptomoedas e outros bens, bem como na prisão de três cidadãos alemães.

Embora a criptomoeda e sua história de uso em negócios na darknet tenham se tornado notórias após o encerramento do mercado ilícito Silk Road, um estudo de dois anos sobre o ecossistema da darkweb - publicado em fevereiro de 2018 - afirmou que o Bitcoin pode estar perdendo seu prestígio de moeda número um nos mercados da darknet, supostamente devido às frustrações dos usuários com o tráfego de rede e as taxas de transação.