Escândalo da fraude da criptomoeda OneCoin movimentou R$ 11,25 milhões no Brasil; empresa segue operando no país

O escândalo da suposta fraude da criptomoeda OneCoin, que afetou milhões de pessoas no mundo, movimentou mais de R$ 11,25 milhões entre 2015 e 2016 no Brasil, segundo documentos obtidos pela Agência Pública.

O OneCoin é de propriedade da empresa One Life, que segundo os documentos vendeu 2,5 milhões de euros (R$ 11,25 milhões) em "falsas criptomoedas" para os brasileiros. O OneCoin nunca foi negociado em nenhuma exchange, sendo investigado internacionalmente por fraude bancária.

Como noticiou o Cointelegraph, uma ação coletiva levou à prisão de associados da One Life nos Estados Unidos, entre eles o búlgaro Kostantin Ignatova, irmão de Ruja Ignatova, que seria a fundadora e é procurada pelo FBI.

A One Life foi fundada em 2014, crescendo junto com os mercados cripto. Depois de um ano, possuía clientes em 200 países, entre eles o Brasil. A empresa ainda está em operação e reúne mais de 3,5 milhões de clientes.

Segundo os ouvidos pela matéria, a empresa mantém suas operações no Brasil. Segundo Paula Cristina Lopes e seu marido, Roberto Bulat, que gerenciam páginas nas redes sociais em nome da empresa, a One Life mantém mais de 200 mil clientes no Brasil, incluindo "associados e não associados".

Eles dizem que a OneCoin é um investimento "a longo prazo":

"Ninguém pode acusar que perdeu alguma coisa. Ele pode não ter a liquidez desejada nesse momento ainda."

Segundo a matéria, uma oficial da One Life em janeiro de 2018 diz que a empresa sofre "perseguição de grandes instituições financeiras, por ter lançado um produto que pode quebrar os bancos mundiais".

A One Life alega ter uma "tecnologia própria" para mineração, minerando as moedas OneCoin através dos tokens vendidos da empresa, que funcionam como "vales-mineração", diz a matéria. A empresa oferece rodadas periódicas de mineração para investidores aplicarem tokens para minerar moedas.

Segundo o pesquisador Diogo Cortiz, do Centro de Estudos sobre Tecnologias Web, a falta de uma blockchain pública é indício de fraude:

"É bom desconfiar e se perguntar por que essa blockchain está fechada. Isso afeta o processo de transparência que dá segurança e confiabilidade nesse sistema."

Como noticiou o Cointelegraph, o esquema de fraude e pirâmide financeira da OneCoin já foi julgado por jurisdições ao redor do mundo.

Em abril, a polícia da Coreia do Sul acabou com um esquema de US$ 18.000.000 envolvendo a OneCoin. Na Austrália, clientes também levaram representantes da empresa à Justiça em março, relatando perdas de mais de US$ 14 milhões. A CVM australiana proibiu a empresa no país. Há relatos também de fraude com a OneCoin na Irlanda, na Nigéria e em Ruanda.

Continue lendo: