Reportagem diz que Exército da China considera um sistema de recompensas blockchain

As forças armadas da China poderiam implementar um sistema de recompensas blockchain para gerenciar dados de pessoal e incentivar sua força de trabalho, informou o Global Times em 18 de novembro.

Citando um relatório diário do Exército de Libertação Popular (PLA), o Global Times ressalta que o sistema blockchain provavelmente não envolveria incentivos financeiros, mas seria usado como uma estratégia de inovação para a gestão das forças armadas.

Incentivos não financeiros

O PLA está interessado em usar um sistema imutável e seguro baseado em blockchain para gerenciar dados pessoais; abrangendo registros de treinamento militar, plano de carreira, missões realizadas e relatórios de desempenho.

O sistema poderia ser tokenizado para oferecer aos soldados incentivos não financeiros, que poderiam ser recuperados por recompensas dentro do esquema. Esses tokens serviriam como "avaliações objetivas", segundo o PLA Daily.

Uma fonte anônima familiarizada com a administração do PLA é citada pelo Global Times como dizendo que a principal distinção entre o sistema de blockchain proposto e os sistemas de recompensa existentes provavelmente seria não apenas a segurança que a tecnologia inovadora confere, mas também uma maior rapidez:

"Parece semelhante a um sistema de KPI que dará feedback às tropas com muita frequência", observou ele. A fonte acrescentou que resta ver para que tipos de recompensas os tokens seriam resgatáveis.

Aqueles que assistem ao avanço da China nos campos de dados, análise de comportamento e vigilância provavelmente lembrarão seu notório sistema de crédito social, que está em desenvolvimento desde 2007.

Estratégia de blockchain da China

Na semana passada, a agência oficial chinesa Xinhua News publicou uma reportagem amplamente positivo e detalhada que reconhece o Bitcoin (BTC) como "a primeira aplicação bem-sucedida da tecnologia blockchain".

Embora a mídia estatal siga reiterando sua postura cautelosa contra os excessos especulativos associados ao comércio de criptomoedas, o país parece abrandar sua antiga oposição às atividades como a mineração de Bitcoin.

Enquanto isso, o recente endosso de alto perfil do presidente Xi à inovação da blockchain nas últimas semanas foi acompanhado pela assinatura da primeira lei nacional que regula a criptomoeda, que governa vários aspectos da blockchain, que entrará em vigor em janeiro.

O Banco Popular da China (PBoC) deverá estabelecer a China como a primeira grande economia global a lançar uma moeda digital do banco central.

Se a moeda digital do PBoC será ou não baseada em blockchain e interoperável com outras blockchains ou não, isso tem sido motivo de debateespeculação entre os números do setor nas últimas semanas.