CEO da Binance diz que 'será difícil para outras nações superar a China na blockchain'

Changpeng Zhao, fundador e CEO da Binance, diz que o endosso à blockchain do presidente chinês levará inevitavelmente à adoção em massa de criptomoeda.

Em entrevista à Bloomberg Markets Asia em 15 de novembro, Zhao - mais conhecido na indústria por seu apelido "CZ" - deu sua perspectiva sobre o provável impacto global da recente intervenção do presidente Xi Jinping.

"Teremos uma corrida nesse setor"

Conforme relatado, o presidente Xi Jinping instou em outubro a China a acelerar a adoção de tecnologias blockchain para impulsionar a inovação e a transformação industrial.

Refletindo sobre as prováveis ​​consequências desse endosso de alto perfil e declaração explícita de uma estratégia pró-blockchain por parte da segunda maior economia do mundo, CZ disse:

"É super positivo. Muito pró-tecnologia da China, para que a China invista fortemente na tecnologia blockchain e também na frente educacional. Dado que a China já fez esse movimento, todos os outros países do mundo não terão escolha a não ser seguir ou avançar mais rapidamente. Mas, falando honestamente, será muito difícil avançar mais rápido que a China."

Sugerindo as aspirações geopolíticas concorrentes dos Estados em monopolizar a tecnologia, CZ acrescentou: "Acho que teremos uma corrida nesse setor".

O CEO viu o impacto da postura pró-blockchain indo muito além, argumentando que, embora o presidente possa ter confinado seus comentários à tecnologia subjacente ”

"Você não pode aprender apenas sobre blockchain sem aprender sobre criptomoedas. então acho que veremos muito mais pessoas que entendem Bitcoin, Ether e outras criptomoedas. Então, veremos uma adoção muito forte lá."

Aproximando-se da Grande Muralha

Quando questionado sobre a estratégia da Binance na China, CZ tomou nota implícita de cautela - talvez sem surpresa, considerando que a exchange foi forçada a deixar o país após a repressão chinesa em setembro de 2017 às exchanges de criptomoedas, mudando sua sede para Malta. Ele disse:

‘Queremos seguir as recomendações com muita atenção e promover a pesquisa e o desenvolvimento da tecnologia blockchain. Estamos analisando várias iniciativas nessa área. Queremos ajudar sempre que pudermos.”

Em setembro de 2018, a Binance fez seu primeiro investimento estratégico chinês desde que deixou o país após a repressão, participando de uma rodada de financiamento de US$ 200 milhões para uma publicação de cripto e blockchain baseada em Pequim.

No início deste mês, a Binance lançou negociações peer-to-peer para Bitcoin (BTC), Ether (ETH) e Tether (USDT) por yuan chinês. Conforme observado na entrevista desta sexta-feira à Bloomberg, a exchange também esteve envolvida no comércio de balcão de criptomoedas no país, que obteve lucros sólidos no início deste ano.

Falando na quinta-feira no BlockShow Ásia 2019, CZ previu — diferentemente de outros figurões do setor — que a moeda digital em desenvolvimento pelo Banco Popular da China será baseada em blockchain.