Experiente regulador chinês pede a Sichuan que direcione excedente de hidrelétricas para a blockchain

Um experiente regulador chinês disse aos encarregados de orientar o desenvolvimento estratégico da província de Sichuan devem direcionar a energia hidrelétrica excedente para a indústria de blockchain.

Jiang Yang - ex-vice-presidente da Comissão Reguladora de Valores Mobiliários da China - aconselhou estrategistas que:

"Sichuan deve estudar mais sobre como os recursos hídricos baratos da província podem atrair negócios relacionados à moeda digital".

As observações de Yang foram feitas em uma reportagem de 30 de outubro do South China Morning Post (SCMP).

Usar mineração de criptomoeda para absorver o excesso de produção

Sichuan, localizada no sudoeste da China, tem uma prolongada estação chuvosa e é, portanto, o maior produtor de energia hidrelétrica do país.

Somente em 2018, a província gerou 78,2 gigawatts - ou seja, 78,2 milhões de quilowatts - de energia e exportou 104 bilhões de quilowatts-hora (kWh), 30% de sua produção total, para outras regiões.

Com esse recurso abundante, as tarifas de eletricidade de Sichuan chegam a 2 centavos de dólar por kWh durante a estação das chuvas - em comparação com a taxa de 11 centavos de dólar registrada em Guangzhou e Pequim.

Mesmo fora da temporada, os custos permanecem em modestos 4 centavos de dólar por kWh - um grande atrativo para os mineradores de criptomoedas, para os quais o consumo de eletricidade demanda a maior parte dos custos operacionais.

Mais importante ainda, acredita-se que a mineração de criptomoedas tenha o potencial de ajudar a absorver o excesso de produção de energia, o que supostamente continua sendo uma oportunidade perdida de exportação para usinas hidrelétricas sem infraestrutura. Isso poderia aumentar significativamente a economia local, observa o SCMP.

Pedidos de uma inovação no financiamento de blockchain

Jiang disse aos estrategistas que a China continua a minerar 70% do Bitcoin do mundo (BTC), seguida pela Índia (4%) e pelos Estados Unidos (1%), citando a energia hidrelétrica barata como o principal fator impulsionador.

Ele pediu que a China buscasse um avanço na aplicação da blockchain ao financiamento, observando que:

"No setor financeiro, a aplicação da tecnologia blockchain passou pela moeda digital, hoje ela impulsionada principalmente pelo Bitcoin."

Leon Liu - CEO da plataforma de negociação de criptomoedas Bitkan - disse a repórteres que desde o endosso de alto perfil do presidente Xi ao desenvolvimento da blockchain na semana passada, o volume de Bitcoin negociado na plataforma aumentou quatro vezes.

Também espera-se que o aumento da mineração provoque um grande aumento nos volumes de negociação de Bitcoin, já que é daí que os mineradores tiram suas recompensas para pagar pelos custos operacionais.

Isso pode representar um problema para a principal agência de planejamento macroeconômico da China, a Comissão Nacional de Reforma do Desenvolvimento, que se esforçou para reprimir a mineração de Bitcoin.

Além disso, a China baniu todas as exchanges de criptomoedas domésticas desde setembro de 2017, o que significa que essa negociação provavelmente ocorrerá em plataformas offshore.

Na quarta-feira, o Cointelegraph informou que o Banco Popular da China e o regulador de mercado do país implementarão em conjunto um novo sistema para certificar 11 tipos de produtos de hardware e software de fintech relacionados a pagamentos digitais.