'É óbvio que temos débitos, mas não precisa disso tudo' diz dono do GBB a funcionários sobre ação da polícia

Em vídeo gravado na sede do Grupo Bitcoin Banco (GBB) no último dia 20, o fundador Cláudio Oliveira, em reunião com os funcionários da empresa, reconhece débitos e afirma que as recentes ações contra o grupo afetam a imagem e a moral da companhia e dos seus funcionários. O empresário, entretanto, mantém postura otimista e afirma que clientes serão ressarcidos.

Na gravação (disponível na íntegra no YouTube), Cláudio fala de pessoas "que são contra a empresa e fazem escândalos na porta e trazem polícia e esse midiatismo todo que está sendo feito". Ele continua dizendo que é "óbvio que [a empresa] tem débitos, mas não precisa disso tudo". 

O ex-presidente do GBB atribui as ações e reclamações à "pessoas que querem prejudicar as empresas do grupo para tentar receber ou as afundarem" e diz que pode "dizer para todas essas pessoas que elas vão receber, pois afundar não vai, porque eu não deixo. Nada disso vai me fazer abaixar a cabeça".

Cláudio também diz lamentar que muitas pessoas "deem ouvidos à mídia e acreditem em coisas absurdas" e afirma que são "eles contra vários, mas esses vários são também clientes que têm razão porque estão querendo receber valores deles". 

Após afirmar que alguns clientes possam estar prejudicando a imagem da empresa e a sua recuperação, Cláudio reconhece que tais clientes "têm direito, pois é o dinheiro deles, a luta deles".

Conforme reportado pelo Cointelegraph, foi feita uma ação policial na sede do GBB na última terça-feira, que causou tensão e apreensão de bens na sede da companhia.