Cidadã dos EUA é indiciada por distribuição de drogas em troca de Bitcoin

Uma cidadã dos Estados Unidos foi acusada de distribuição de heroína e metanfetamina em troca de Bitcoin (BTC).

De acordo com um comunicado de imprensa publicado em 3 de janeiro pelo Ministério Público dos EUA no Distrito Leste de Nova York, Joanna De Alba supostamente promoveu e vendeu narcóticos ilegais em um mercado da dark web apelidado de “Wall Street Market”, entre junho de 2018 e maio de 2019 .

O comunicado oficial observa: 

“A acusada Joanna De Alba, cidadã norte-americana, será processada esta tarde no tribunal federal do Brooklyn por uma acusação de distribuição de heroína e metanfetamina na dark web."

Para garantir o suposto anonimato, De Alba pediu aos clientes que a contatassem através de programas criptografados e pagassem com BTC.

Uma operação secreta

Como parte da investigação, um agente disfarçado comprou 30 gramas de heroína e 10 gramas de metanfetamina de De Alba, e pagou com Bitcoin, conforme solicitado.

Algum tempo depois, o agente recebeu um pacote supostamente enviado por De Alba, que continha heroína e metanfetamina, de acordo com uma análise feita posteriormente.

Se De Alba for condenada em todas as acusações, ela será condenada a cinco anos de prisão, com uma possível sentença máxima de até 100 anos de prisão.

Em busca do anonimato

Na verdade, os criminosos usam ativamente a dark web em busca de anonimato, o que apresenta desafios significativos, pois usuários mal-intencionados conseguem atingir um nível maior de anonimato usando criptomoedas.

Um relatório de novembro do think tank The Rand Corporation, apontou Bitcoin, Litecoin (LTC) e Monero (XMR) como as criptomoedas mais usadas na darknet.

No entanto, uma análise das transações de Bitcoin também pode ajudar as agências policiais a localizar criminosos cibernéticos. Assim, em meados de outubro, as autoridades dos EUA fecharam um dos maiores mercados de exploração sexual infantil até o momento, chamado Welcome to Video.

Para identificar os criminosos, os investigadores usaram ferramentas desenvolvidas pela empresa analítica Chainalysis, que ajudaram a rastrear as carteiras de BTC usadas pelos criminosos para receber pagamentos dos clientes.

Como o Cointelegraph relatou no mês passado, o maior mercado na darknet da Rússia, Hydra, revelou que está buscando arrecadar US$ 146 milhões em uma oferta de tokens que permitiria sua globalização.