Futuro das criptomoedas no Reino Unido depende da decisão da FCA

Desde os dias do Império Britânico, o Reino Unido tem sido uma das maiores e mais influentes potências econômicas do mundo. Embora seu controle financeiro sobre o mundo tenha declinado substancialmente, o país ainda é uma das regiões culturalmente mais relevantes do mundo, principalmente no que diz respeito à adoção de uma tendência.

Uma pesquisa realizada pelo escritório de advocacia Michelmores LLP, que tem sede em Londres, revelou que 20% dos millennials ricos no Reino Unido investiram em Bitcoin (BTC) e outras criptomoedas. Tendo isso em mente, quando a FCA, sigla da Financial Conduct Authority (Autoridade de Conduta Financeira) do Reino Unido propôs uma proibição de cripto, chamou a atenção de todo o ecossistema de criptomoeda.

Regulações de cripto no Reino Unido

Até agora, o Reino Unido não criou nenhuma lei específica focada em cripto e seus reguladores tiveram uma postura bastante branda para com as criptos. Embora o país não possua uma legislação explícita sobre criptomoedas, elas não são consideradas curso legal, enquanto as exchanges possuem requisitos de registro e precisam ser registradas junto à FCA, cujas orientações enfatizam que as entidades que se envolvem em atividades relacionadas à cripto se enquadram nos regulamentos financeiros existentes para derivativos (futuros e opções) requerem autorização.

Os lucros e prejuízos com criptomoedas estão sujeitos ao imposto sobre ganhos de capital e imposto de renda. A autoridade tributária do Reino Unido, a Her Majesty’s Revenue and Customs (HMRC), especificou que a compra e venda de cripto terá a mesma classificação do jogo e o indivíduo estará sujeito ao imposto sobre ganhos de capital. Porém, caso um indivíduo esteja envolvido na negociação desses ativos, o imposto de renda terá prioridade sobre o imposto sobre ganhos de capital.

A HMRC até solicitou que as exchanges de criptomoedas dessem os nomes de seus clientes e transações, com o objetivo de identificar casos de sonegação de impostos, mas as leis do Reino Unido Contra a Lavagem de Dinheiro (AML) não mencionam especificamente a criptomoeda.

Contudo, isso vai mudar até 10 de janeiro de 2020, com a iminente implementação da Quinta Diretiva de Lavagem de Dinheiro do Reino Unido. Conversando com o Cointelegraph sobre a atual situação regulatória no Reino Unido, Eric Benz, CEO da exchange Changelly, disse que a estrutura regulatória está tentando acompanhar o mercado emergente, acrescentando:

“Eu acho que a regulamentação é uma coisa boa, mas apenas se for feita de uma maneira que se adapte a esse novo mercado. A aplicação da regulamentação arcaica tradicional à criptomoeda simplesmente não funcionará, pois foi projetada em sua natureza para evitar a regulamentação. Tem que haver uma compreensão muito melhor do mercado e da tecnologia em nome dos governos, não apenas no Reino Unido, mas globalmente.”

Em 24 de agosto, o Partido Liberal Nacional publicou um post em seu site afirmando que não existe uma estratégia de criptomoeda do Reino Unido atualmente e que o governo se recusou a tomar uma posição sobre sua regulamentação.

A proposta de proibição da FCA

Em julho de 2018, a FCA alertou que as criptomoedas representam um risco enorme para os consumidores que geralmente são mal informados sobre elas e recomendou que produtos como derivativos e notas negociadas em bolsa que fazem referências a criptoativos sejam "inadequados" para pequenos investidores. Sukhi Jutla, cofundadora da plataforma de blockchain MarketOrders do Reino Unido, disse:

“A proibição proposta será vista como um grande golpe e um passo atrás para a inovação no espaço de criptoativos. Também indicará que, apesar de o Reino Unido ser o líder no cenário da fintech, eles terão efetivamente se comprometido com essa posição.”

Essa iniciativa da FCA segue um compromisso público de cumprir o Relatório Final da Força-Tarefa de Criptoativos. Embora o relatório reconheça que as criptos podem facilitar transações mais baratas e mais eficientes através da eliminação de intermediários, a maior parte do relatório mostra as criptos sob um prisma negativo. No relatório, a FCA menciona que deseja "mitigar os riscos para os consumidores e a integridade do mercado e impedir o uso de criptoativos para atividades ilícitas".

Após o relatório, os reguladores do Reino Unido intensificaram suas investigações sobre criptos. Por uma questão de fato, as investigações de cripto em 2019 aumentaram 74% em comparação a 2018 e a FCA informou que os investidores de criptomoeda no Reino Unido perderam mais de US$ 34 milhões devido a fraudes de criptomoeda e forex de 2018 a 2019. Muitas, incluindo a Changelly de Benz, acreditam que as consequências da proposta proibição claramente tornariam a situação ainda pior, uma vez que a criptomoeda sempre encontrará uma maneira de driblar os regulamentos:

“A decisão de não ter produtos de investimento em cripto, que eu sinto não ser a decisão correta, mas, em vez disso, a FCA deve procurar ver a melhor maneira de criar uma estrutura regulatória para essas empresas.”

Em uma carta aberta em seu site em 23 de setembro, a Coinshare, empresa de gerenciamento de ativos digitais do Reino Unido, alegou que a FCA não forneceu evidências suficientes para justificar a proibição proposta de notas negociadas em bolsa. Ele instou seus clientes a apoiá-los no "combate a essas propostas enviando uma resposta".

Governo descarta indagações sobre a proibição proposta pela FCA

Em 21 de outubro, o governo do Reino Unido deixou claro que a decisão de prosseguir com a proibição proposta depende da FCA. Isso mostra que o governo não está interessado em participar da proibição, ou pelo menos quer se distanciar dela. Falando sobre a aparente desconexão entre FCA e governo, Jutla, da MarketOrders, disse:

"Duvido muito que haja transparência na comunicação entre o governo e a FCA."

Jutla acredita que os governos não se sentem confortáveis ​​em lidar com a indústria de cripto e, portanto, governo e FCA podem não querer seguir na mesma direção. Ela disse:

“Ambas as partes têm agendas e pontos de vista opostos. Mesmo que a FCA não esteja pronta para adotar criptoativos, ela tem o dever de garantir que, se esses produtos estiverem disponíveis, haja proteção para consumidores e investidores.”

Considerando como o Reino Unido já falhou em manter sua liderança global nas finanças, desistir da inovação da criptomeoda será um grande golpe. Parece que o país deve se inspirar no governo dos Emirados Árabes Unidos, que recentemente divulgou diretrizes sobre como os criptoativos serão tratados. Até a China, que anteriormente era uma das nações mais hostis à cripto, aprovou sua primeira "lei de criptomoeda", que entrou em vigor em janeiro de 2020.