Reportagem indica que investigações de cripto por parte do regulador financeiro do Reino Unido cresceram 74% em 2019

A Autoridade de Conduta Financeira (FCA), principal regulador financeiro do Reino Unido, registrou um aumento de 74% nas investigações relacionadas a cripto em 2019 até o momento.

Um escritório de advocacia local revela os dados

De acordo com os dados do escritório de advocacia Pinsent Masons, com sede em Londres, o número de investigações da FCA em negócios de criptomoedas aumentou de 50 casos em 2018 para 87 casos em 2019, de acordo com uma matéria do Financial Times de 7 de outubro.

O comunicado observa que esse número inclui tanto o exame inicial quanto as extensas investigações de execução.

A cripto pode se beneficiar do aumento do escrutínio

David Heffron, sócio da Pinsent Masons, afirmou que o crescente escrutínio da FCA demonstra a "abordagem cada vez mais prática e sem sentido do regulador de aplicar a lei no mercado de criptomoedas".

Heffron também observou que o aumento no número de investigações de cripto pode ser uma boa notícia para a indústria, pois se livra dos players ruins no mercado. Heffron acrescentou:

"Para as empresas de criptomoedas agindo legalmente, essas estatísticas serão encorajadoras - elas querem que os maus atores sejam expulsos".

Em março de 2019, a FCA deu a notícia dos prejuízos do Reino Unido devido a fraudes de criptomoeda e forex em 2018 e 2019, revelando que o dano total representou mais de US$ 34 milhões. Porém, as perdas individuais causadas por golpes diminuíram durante o período - de US$ 76.000 para US$ 18.500.

Embora a FCA tenha declarado publicamente que não regulamentará o Bitcoin (BTC) como parte de suas diretrizes sobre criptoativos no final de julho, a autoridade havia anunciado anteriormente que estava preparando uma proibição potencial à venda de derivativos de cripto, como futuros de Bitcoin para investidores de varejo.