Tribunal do Texas ordena réus a pagarem US$ 400 mil por esquema fraudulento de Bitcoin

Um tribunal federal do Texas condenou dois réus a pagarem US$ 400.000 por conduzirem um esquema fraudulento para pedir Bitcoin (BTC) de membros do público, segundo anunciou em 10 de julho a Comissão de Câmbio, Futuros e Commodities dos Estados Unidos (CFTC).

O Juiz Reed C. O'Connor do Tribunal Distrital dos EUA do Distrito Norte do Texas entrou com uma Ordem de Pedido e Inadimplemento em 28 de junho de 2019, alegando que os cidadãos americanos Morgan Hunt e Kim Hecroft se envolveram em um esquema fraudulento para pedir Bitcoins do público para investir na negociação de produtos como opções binárias, diamantes e contratos em moeda estrangeira. Os réus alegadamente fizeram negócios através de entidades chamadas Diamonds Trading Investment House e First Options Trading.

A ordem declara que os réus “alegaram falsamente que usariam fundos de clientes para investir em transações em benefício dos clientes, manipularam informações sobre sua experiência e seu histórico como comerciantes e gestores de carteiras, além de alegar falsamente aos clientes que não poderiam retirar seus supostos lucros dos investimentos sem antes pagar um imposto para a CFTC e desviar fundos de clientes.”

O tribunal agora exige que Hunt e Hecroft paguem uma restituição e uma multa monetária civil de US$ 180.000 cada, além de impor a eles proibição permanente de negociação e registro. De acordo com o anúncio, os réus podem não conseguir pagar as vítimas devido à falta de fundos suficientes.

No meio de junho, a CFTC registrou uma queixa junto à Corte Distrital de Nova York contra a agora extinta entidade Control-Finance Ltd, com sede no Reino Unido, que supostamente desfalcou mais de 1.000 investidores para a lavagem de pelo menos 22.858 BTC.

Como um relatório recente da Chainalysis revelou, a quantidade de Bitcoin gasta em transações ilegais em 2019 pode atingir um recorde de US$ 1 bilhão, apesar da proporção de transações ilegais para legais esteja encolhendo.