Presidente da CFTC dos EUA: Blockchain teria melhorado resposta do regulador na crise financeira de 2008

O presidente da Comissão de Negociação de Futuros de Commodities (CFTC) dos EUA, J. Christopher Giancarlo, diz que a tecnologia blockchain teria permitido uma “intervenção regulatória muito mais rápida, bem informada e calibrada” em resposta à crise financeira de 2008.

Giancarlo fez seus comentários durante um discurso intitulado "O Novo Futurismo: Mercados Financeiros, Tecnologia e Regulamentação do Século XXI" - pronunciado na Commissione Nazionale per le Societa e la Borsa (CONSOB) em Roma, Itália, em 3 de junho.

Giancarlo dedicou a primeira parte de seu discurso às reflexões sobre a blockchain e à crise financeira de 2008 - tanto em relação aos desdobramentos quanto às consequências. Ele deu seu próprio ponto de vista na época como executivo sênior em Wall Street, no GFI Group. O GFI operava uma plataforma de negociação de listagem de swaps de crédito de inadimplentes, observou ele, situando o grupo bem no epicentro do risco sistêmico.

Em seus comentários, Giancarlo disse que se os reguladores tivessem acesso aos registros comerciais em tempo real de grandes bancos de Wall Street, eles teriam sido poupados da tarefa complexa e pesada de ter que “reunir dados fragmentados para recriar carteiras de negociação complexas e individuais” - com grandes implicações no modo como a crise foi tratada. Ele continuou:

“Que diferença teria feito há uma década se a tecnologia blockchain em um ledger distribuído privado acessível aos reguladores tivesse sido a base informacional das exposições a derivativos de Wall Street! No mínimo, certamente teria permitido uma intervenção regulatória muito mais rápida, bem informada e calibrada, em vez da resposta desorganizada que infelizmente se seguiu”.

Os reguladores de 2008, ressaltou o presidente, teriam se beneficiado significativamente se existisse o acesso a ledgers distribuídos (DLT) em tempo real. A utilidade do DLT pode ainda ser reforçada com a implementação de capacidades inovadoras de computação cognitiva, disse ele, para identificar as “anomalias na atividade de comércio em todo o mercado e exposições divergentes de contrapartes” que apontam para um risco elevado de falência bancária.

Giancarlo também previu que a blockchain terá um “impacto amplo e duradouro” em várias aplicações, dentre elas “pagamentos, bancos, liquidação de títulos, registro de títulos, segurança cibernética e relatórios e análises comerciais”.

Conforme relatado, em um discurso nesta primavera, Giancarlo ressaltou que, sob sua égide, a CFTC “resistiu aos apelos para usar nossos poderes legais para suprimir o desenvolvimento de ativos cripto”.