Pior que BitAtlas: Mansão de baqueiro brasileiro acusado de fraude bilionária é vendida com 89% de deságio
Inscreva-se

Enquanto nas redes sociais usuários vem demonstrando insatisfação com a solução da Atlas Quantum para resolver o problema com os Bitcoins bloqueados na plataforma e vem oferecendo um sistema de compra e venda dos BTC por meio de um deságio de até 78%, segundo dados do BitAtlas.cf, um deságio ainda maior foi identificado na venda da mansão do ex-banqueiro Edmar Cid Ferreira, no bairro do Morumbi, em São Paulo.

Mansão do ex-banqueiro Edemar Cid Ferreira no Morumbi, em São Paulo — Foto: Jonne Roriz/Agência Facto/Agência Estado

 

 

A mansão, com  7.888 m²  de área construída tem janelas blindadas, pé direito de 9 metros, 34 banheiros, mesa de jantar de 10 metros, painel com folhas de ouro entre outros itens, pertencia ao ex-banqueiro Edmar Sid Ferreira, que teria aplicado uma fraude bilionária alegando falência do Banco Santos, do qual era dono.

Edmar, dono do Banco Santos, teria escondido a falta de liquidez da instituição, em 2005, o Banco Central decretou a falência do Banco Santos, que apresentava um rombo de quase R$ 3 bilhões. Edmar chegou a ser preso mas foi solto pelo STF.

Segundo uma reportagem da TV Globo que esteve na mansão, para conhecer toda a construção é preciso pelo menos duas horas de caminhada e, só com manutenção, teria um gasto de mais de R$ 500 mil por mês.

Avaliada em R$ 78 milhões a mansão foi incluída na massa falida do Banco Santos após Edmar ter sido despejado do local em 2011, desde então, a Justiça busca leiloar o imóvel, porém não teve sucesso em pelo menos dois leilões. Entretanto, nesta semana, em um novo leilão o imóvel foi arrematado por R$ 9 milhões, um deságio de quase 89%.

Enquanto isso, no momento da escrita, os BitAtlas, como são chamados os Bitcoins bloqueados na Atlas Quantum, estão sendo vendidos por R$ 7.877,96, cerca de 77,9% de deságio, no entanto, a empresa está 'revendendo' o mesmo BTC por R$ 8.702,94.
 
O valor deve ser usado pela justiça para cobrir parte das dívidas no processo de falência do Banco Santos. Já foram realizados outros leilões com bens que pertenceram a Edmar, inclusive obras de arte e mobiliária. Edmar teria desviado dinheiro do Banco para compra de obras de arte, no total, o banqueiro teria comprado cerca de 12 mil obras de arte.

Como noticiou o Cointelegraph, em outro caso quem vem sendo analisado pelas autoridades no Brasil, a Midas Trend, que tem suas atividades investigadas pela Comissão de Valores Mobiliários do Brasil, CVM, patrocinou um importante jogo de futebol do campeonato francês, hoje, 26 de outubro.

Confira mais notícias