Banco Popular da China está 'progredindo sem problemas' com o Yuan Digital

O banco central da China, Banco Popular da China (PBoC), relata que está "progredindo sem problemas" com o desenvolvimento de uma moeda digital apoiada pelo governo.

O banco divulgou seu comunicado durante uma conferência de trabalho realizada em Pequim, de 2 a 3 de janeiro, de acordo com um comunicado oficial publicado ontem, 5 de janeiro. 

Cinco anos em construção

Conforme relatado, a China dedicou cinco anos de pesquisa e desenvolvimento de sistemas à sua próxima moeda digital do banco central (CBDC) e começou a conduzir seu primeiro piloto da moeda no mundo real em dezembro de 2019.

Como uma forma de curso legal digital - e ao contrário de uma criptomoeda privada e descentralizada - a CBDC será controlada pelo PBoC e 100% lastreada pelas reservas que as instituições comerciais pagam à instituição.

Como observado, o PBoC fez uma breve declaração sobre seu progresso com o yuan digital como parte de uma conferência dedicada ao “estudo e implementação ” na Quarta Sessão Plenária do 19º Comitê Central do Partido Comunista da China, realizado em outubro 2019 e na Conferência Anual de Trabalho Econômico Central em dezembro.

Com discursos do presidente do PBoC, Yi Gang, e do secretário do Partido Comunista Chinês Guo Shuqing, a conferência resumiu o trabalho do PBoC em 2019 e descreveu as principais tarefas do banco para continuar a desenvolver o "socialismo com características chinesas" em 2020.

As atribuições do banco em 2020, sob a égide do Comitê Central do Partido e do Conselho de Estado, incluirão "ajustes anticíclicos" à política monetária, enfrentando riscos financeiros e buscando uma liberalização contínua da economia nacional.

Pequim e o setor global de blockchain

O impacto do reminbi digital da China e da estratégia de blockchain liderada pelo estado nos protocolos descentralizados existentes permanece discutível. Os analistas estão observando atentamente Pequim em busca de pistas sobre sua posição em termos de interoperabilidade, censura, estratégia internacional e regulamentação.

Em uma entrevista ao Cointelegraph, Wulf A. Kaal - Ph.D. na empresa de consultoria tecnológica Kaal.io - ecoou comentários anteriores do cofundador da Ethereum, Joe Lubin:

"Poderíamos debater o que significa 'descentralizado' no caso da China. Se concordarmos que "descentralizado" significaria, no mínimo, um token resistente à censura, autônomo e anônimo, é difícil ver o governo chinês facilitando isso."