5 exchanges interrompem serviços ou fecham em meio a repressão sentida na China

Pelo menos cinco exchanges de criptomoedas chinesas interromperam ou optaram por encerrar as operações este mês em resposta ao reforço da postura anti-criptomoeda de Pequim.

A exchange Bitsoda informou aos clientes em 23 de novembro de sua decisão de encerrar os serviços; A Akdex seguiu o exemplo, anunciando sua decisão de encerrar em 24 de novembro.

Também em 24 de novembro, a Idax citou a política do governo chinês como base para sua decisão de impedir que clientes domésticos usem seu serviço.

Da mesma forma, com referência explícita à política do governo, a Btuex revelou em 25 de novembro que interromperia os serviços imediatamente e reabriria no futuro para uma clientela no exterior.

Em 4 de novembro, a exchange Biss anunciou que estava "cooperando ativamente" com as investigações de suas operações e planejava retomar os serviços o mais rápido possível.

Desde então, foi relatado que as autoridades prenderam 10 suspeitos relacionados à exchange. Embora as informações em torno das prisões continuem fragmentadas, os relatórios afirmam que as autoridades reguladoras consideraram os serviços da Biss uma violação dos controles de capital chineses.

Blockchain, não Bitcoin

A Bloomberg publicou nesta semana um relatório alegando que esses desenvolvimentos recentes representam "a maior limpeza do setor" desde a confusão histórica de Pequim em setembro de 2017.

Citando dados da empresa de inteligência de blockchain Chainalysis, o relatório da Bloomberg observa que 20 das 50 principais exchanges globais de criptomoeda são baseadas na região Ásia-Pacífico, respondendo por cerca de 40% das transações de Bitcoin no primeiro semestre de 2019. Os dados da Chainalysis indicam que a maior parte das exchanges é baseada na China.

A reafirmação de Pequim de sua postura de linha dura foi interpretada como uma tentativa de impedir o que considera ser excessos especulativos associados ao comércio de criptomoedas, que supostamente teme que possam aumentar após um grande endosso público da blockchain pelo presidente Xi Jinping em outubro. A mídia estatal alertou o público a permanecer "racional".

Clareza ou repressão?

Katie Talati, chefe de pesquisa da Arca, gestora de ativos de Los Angeles, disse a repórteres:

"Parece que, como tudo o mais dentro de suas fronteiras, a China sente que precisa ter controles mais rígidos no mercado de criptomoeda, incluindo exchanges, mineradoras e emissores de ativos".

Talati, no entanto, argumentou que a posição de Pequim está evoluindo em uma direção semelhante à do Japão, onde "regulamentos rígidos e claros para empresas cripto" estão sendo estabelecidos.

Os traders locais parecem nervosos, no entanto, como observa a Bloomberg, o aplicativo de carteira Imtoken relatou um aumento duplo nas transações de Tether (USDT) entre seus 10 milhões de usuários em 22 de novembro, supostamente em resposta a novos alertas dos reguladores chineses. O USDT é comumente usado como veículo para alternar entre moedas digitais e fiduciárias.

A conta oficial da Binance no principal site de microblog chinês Weibo, foi suspensa em meados de novembro, bem como a da Fundação Tron - a organização de desenvolvimento por trás da 11º maior criptomoeda, o Tron (TRX).

Como o Cointelegraph informou, a exchange IDAX, suspendeu hoje os depósitos e saques, depois que seu CEO supostamente desapareceu.

Na esteira de seu anúncio de que deixaria de atender aos usuários chineses, a plataforma havia alertado no início desta semana que estava vendo uma corrida nos saques. Agora, ele revelou ainda que o paradeiro do CEO global da IDAX, Lei Guorong, é desconhecido e que, como medida de segurança, bloqueou sua carteira fria de armazenamento para proteger os recursos dos usuários.