Co-fundador da Ethereum: Espero que a criptomoeda da China permita 'interagir' com Bitcoin, ETH e criptos

O co-fundador da Ethereum e fundador da Consensys, Joseph Lubin, disse que espera que a moeda digital do Banco Central da China (CBDC) permita interoperabilidade com blockchains públicas sem permissão, incluindo a Ethereum.

Ethereum é "um vírus muito positivo"

Lubin fez suas observações durante uma entrevista à Forbes publicada em 9 de novembro. Ele explicou:

“Suponho que será exatamente o que a liderança chinesa acha que é mais benéfica para a liderança chinesa. Espero que isso também esteja aberto e que possamos interagir com ele, mas eu não sei. ”

Além disso, Lubin acrescentou que gostaria de ver mais participação da China no ecossistema Ethereum. Ele citou o caso da plataforma de comércio baseada em blockchain Belt and Road, observando que ela usa uma das "tecnologias mais fracas" em comparação com as blockchains públicas como a Ethereum. Ele disse:

“Adoraria ajudar a China a se especializar em tecnologia Ethereum. [...] A idéia principal é que o Ethereum é a mais forte das tecnologias blockchain e é um vírus muito positivo para implantar na mente das pessoas. ”

Lubin também observou que espera que a China continue prejudicando o status do dólar como moeda de reserva mundial. Mas ele também acredita que o CBCD da China terá apenas um impacto menor nesse sentido. Ele ressaltou que a Rússia e a China estão fazendo esforços para realizar negócios sem usar o dólar americano e concluiu:

“Existem muitas razões pelas quais a influência americana está encolhendo e provavelmente continuará encolhendo. Isso pode não ser uma coisa ruim, mas, de certa forma, será uma coisa ruim. A criptomoeda particular da China não acho que seja um fator importante. ”

China pode censurar cripto "se quiser"

Lubin também abordou a disposição da China de obstruir o acesso a moedas digitais que competem com as suas, incluindo o Ether ( ETH ). Ele explicou que a capacidade do governo de impedir o acesso ao Ethereum na China depende do progresso na inspeção profunda de pacotes e de como a nação está motivada para esse fim.

No final, ele admite que o governo chinês "pode ​​fazê-lo se quiser". Ainda assim, novas tecnologias, como streaming de blockchain por satélite e redes de malha, podem fornecer uma maneira de contornar a censura.

Quando perguntado se ele acredita que a implementação do CBDC na China poderia subverter os benefícios da blockchain ou abusar da transparência da blockchain para monitorar e controlar as transações de todos os cidadãos, Lubin disse:

“A China é uma empresa que escreve suas próprias regras e tem uma enorme base de clientes - 1,4 bilhão de pessoas. É uma força econômica difícil de competir. Eu acho que há uma instabilidade. Eu acho que os líderes estão constantemente apavorados com a revolução, então eles precisam manter as pessoas relativamente felizes em algum nível básico ”.