Criptomoedas superam o Nubank e Banco Inter em ranking Fintech100 da KPMG

A KPMG divulgou hoje, 18 de novembro, o Fintech100 2019, o ranking com as principais fintechs do mundo deste ano e empresas de criptomoedas superaram a principal fintech do Brasil, o Nubank que ficou em 16º lugar enquanto a Robinhood, plataforma focada em Bitcoin e criptomoedas, ficou em 14ª lugar na seleção dominada por empresas da Ásia.

Enquanto a Robinhood foi a primeira colocada entre as empresas de criptomoedas o Nubank ficou em primeiro lugar entre as brasileiras. O Brasil também teve outras 3 empresas no ranking, entre elas o Banco Inter que ficou em 28º lugar também atrás de outra empresa de criptomoedas a Revolut que ficou em 24ª. As brasileiras Creditas e Rebell também integraram o ranking.

As empresas chinesas dominam o ranking com a Ant Financial (Alipay) em primeiro lugar, seguida pelo Grab (um tipo de Uber que também integra um sistema de pagamentos em Singapura) e JD Digits (China) que é uma empresa de tecnologia digital, dedicada a fornecer serviços, online e offline para todos os cenários em torno de três pontos principais: dados, usuário e conectividade. Ele usa tecnologias emergentes, como big data, IA, computação em nuvem, blockchain e IoT.

"Como o desenvolvimento da fintech continua forte na China , estamos vendo algumas mudanças no cenário da fintech na China . Alinhados às tendências que observamos globalmente, vemos um número crescente de riqueza, empresas de seguros e multissetoriais da China na lista, o que indica que as tecnologias e inovações se espalharam por mais setores de serviços financeiros.Também podemos ver um aumento no número de empresas de fintech de Hong Kong na lista após uma série de esforços pela Autoridade Monetária de Hong Kong para facilitar o desenvolvimento do ecossistema fintech em Hong Kong. Com as vantagens competitivas das principais empresas de fintech de Shenzhen e o aumento da cooperação e interações entre as empresas de fintech na região, a Grande Baía está se tornando um importante centro de fintech na China e, sem dúvida, tem um papel fundamental a desempenhar na transformação contínua de serviços financeiros", disse Chris Wang, chefe da KPMG na China.

Segundo a KPMG o relatório aponta algumas tendências como as empresas Fintech100 estão mudando o mundo com a inovação que estão impulsionando e atendendo a mais de 2,5 bilhões de clientes em todo o mundo.

Além disso, segundo da KPMG a China continua forte, com a Índia subindo rapidamente para proeminência global - as fintechs chinesas continuaram liderando o Fintech100, mas duas empresas indianas entraram no top 10 de 2019. 

A KPMG alerta também que muitas empresas da lista Fintech100 se beneficiaram dos serviços bancários abertos, permitindo acessar dados bancários dos clientes para criar experiência e serviços mais personalizados.

Como noticiou o Cointelegraph anunciou que vai iniciar uma série de mudanças visando preparar a instituição financeira para oferecer sistema de pagamentos instantâneos, aplicação que irá substituir as operações de TED e DOC no Brasil, segundo o Banco Central.

Confira mais notícias