Promotor do distrito de Nova York acusa duas pessoas de fraude bancária relacionada às criptomoedas

O promotor do Distrito Sul de Nova York acusou um homem do Arizona e uma mulher israelense de operarem serviços financeiros ilegais relacionados a empresas de criptomoedas, de acordo com um anúncio oficial publicado nesta terá-feira, 30 de abril.

Geoffrey S. Berman, Procurador dos Estados Unidos para o Distrito Sul de Nova York, anunciou a prisão de Reginald Fowler por operar um negócio de transferência de recursos sem licença e por fraudes bancárias. Seu conspirador, Ravid Yosef, também foi acusado de fraude bancária e ainda está foragido, de acordo com o anúncio.

Em 2018, o acusado teria trabalhado para várias empresas associadas que forneciam serviços bancários em moeda fiat para exchanges de criptomoedas. Segundo a acusação, Fowler fez inúmeras declarações mentirosas aos bancos em uma tentativa de abrir contas bancárias usadas para receber depósitos de indivíduos comprando moedas digitais. Fowler e Yosef falsificaram instruções de pagamento eletrônico para encobrir a verdadeira natureza de seus negócios.

Berman disse que "a organização contornou as salvaguardas contra lavagem de dinheiro exigidas de instituições licenciadas que garantem que o sistema financeiro dos EUA não seja usado para fins criminosos, e o fez através de mentiras e fraudes."

No início de abril, o promotor do distrito de Manhattan, Cyrus R. Vance Jr., indiciou um grupo de indivíduos com lojas operadas na dark web que vendiam e enviavam “centenas de milhares” de comprimidos de medicamentos falsificados e lavavam milhões de dólares com Bitcoin (BTC). Os indivíduos sacaram mais de US$ 1 milhão.

Também em abril, o Cointelegraph informou que o trader da LocalBitcoins, Jacob Burrell Campos, que vendeu Bitcoin para mais de 1.000 pessoas nos EUA, servirá dois anos na cadeia federal. Burrell, um cidadão mexicano, acumulou mais de US$ 820.000 em vendas de Bitcoin em uma plataforma P2P entre 2015 e 2018.