Califórnia condena trader de Bitcoin a 2 anos de prisão por falhas de conformidade com AML

Um comerciante do LocalBitcoins que vendeu Bitcoin (BTC) para mais de 1.000 pessoas nos Estados Unidos pegou dois anos numa prisão federal, confirmou um comunicado de imprensa do Gabinete do Procurador do Sul do Distrito da Califórnia em 8 de abril.

Jacob Burrell Campos, um cidadão mexicano, acumulou mais de US$ 820.000 em vendas de Bitcoin na plataforma P2P entre 2015 e 2018.

Por meio de uma combinação de cash meetups, caixas eletrônicos e MoneyGram, Burrell atendeu traders no site sem realizar verificações antilavagem de dinheiro (AML) e a devida diligência sobre a origem dos fundos em USD, disseram os promotores.

Sob custódia desde agosto do ano passado, Burrell se declarou culpado pelas acusações em outubro, reconhecendo que ele e outros não-identificados levaram milhares de dólares diariamente e fizeram transações de câmbio com Joseph Castillo, um negociante de metais preciosos baseado em San Diego.

Além da sentença, Burrell também perderá todo o seu total de US$ 823.357 que ganhou com o negócio.

O caso é o mais recente em um número crescente de histórias semelhantes envolvendo comerciantes informais norte-americanos, que as autoridades buscaram em meio a temores de que contribuam para a desestabilização da economia.

Como o Cointelegraph relatou, Burrell pegou originalmente até cinco anos atrás das grades.

"A sentença de hoje de Burrell é um lembrete para aqueles transmissores de dinheiro ilegais e sem licença que as leis e regras se aplicam a transações de criptomoeda, assim como a outros tipos de transações financeiras", David Shaw, agente especial responsável pelas investigações de segurança interna em San Diego, comentou no comunicado de imprensa.

Na semana passada, um juiz canadense ordenou a apreensão de US$ 1,4 milhão em ações em BTC de um traficante de drogas on-line, a maior apreensão do país.