Canadá apreende US$ 1,4 milhão em participação em Bitcoin no maior confisco já registrado

Um juiz de Toronto determinou que um traficante de drogas on-line deve repassar ao estado todo seu patrimônio de US$ 1,4 milhão em Bitcoin (BTC), no que é considerado o maior confisco do Canadá, informou o jornal The Star em 3 de abril.

Matthew Phan, que lidava com narcóticos on-line, tentou convencer a polícia de que ele acumulara os 281,41 BTC (no valor de 1,4 milhão de dólares até o momento) por meio de outras atividades.

O tribunal tentou apreender o estoque em fevereiro, com Phan apelando contra as exigências, um processo que ele parece ter perdido agora.

De acordo com o The Star, a juíza da Corte Superior, Jane Kelly, disse que Phan não conseguiu convencê-la de que os fundos haviam se materializado como resultado de operações legais, como a negociação em exchanges de criptomoedas.

"É razoável inferir que o pagamento por essas vendas ilegais de narcóticos foi feito usando o Bitcoin encontrado na carteira digital do computador de Phan", disse a publicação nesta quarta-feira.

O caso vem após a atenção da mídia em torno do Bitcoin no Canadá após o colapso da plataforma de negociação QuadrigaCX.

A plataforma, cujo presidente morreu inesperadamente em dezembro do ano passado, deve atualmente a seus clientes cerca de US$ 190 milhões em cripto e fiduciário em meio a controvérsias sobre sua liquidez e manuseio de fundos.

A Ernst & Young, que atualmente trabalha como administradora do negócio, admitiu oficialmente nesta semana que as chances de um ressurgimento de suas atuais dificuldades são improváveis.

Ao mesmo tempo, em um caso separado, promotores canadenses ordenaram o congelamento de US$ 22 milhões em tokens de ICO emitidas pela consultoria local Vanbex, em meio a suspeitas de que seus organizadores usaram os lucros para ganho pessoal. A empresa nega qualquer irregularidade.