LexisNexis faz parceria com a casa de câmbio cripto australiana Blockbid para aumentar a segurança

A gigante de gestão de risco LexisNexis fez parceria com a casa de câmbio cripto Blockbid para aumentar as medidas de segurança das casas de Blockbid, reporta sua conta no Medium em 4 de junho. A Blockbid é declaradamente uma das primeiras plataformas de negociação a observar voluntariamente medidas globais contra lavagem de dinheiro (AML) por meio de parcerias com as empresas de tecnologia de segurança LexisNexis e ThreatMetrix.

Estimulando medidas de prevenção de fraudes e conheça seu cliente (KYC) em relação aos bancos, a solução “Trade with Confidence” pretende evitar que a cripto seja usada em casos de lavagem de dinheiro, financiamento do terrorismo, tráfico de pessoas e outras atividades ilegais.

De acordo com o post do blog, a tecnologia recém-adotada da Blockbid, baseada em Melbourne, combina dados de identidade física e digital, identificadores emitidos pelo governo, endereços e dados biométricos com identificação de dispositivos, geolocalização, análise comportamental e inteligência para ameaças.

Thomas C. Brown, vice-presidente sênior de mercados comerciais dos EUA e desenvolvimento do mercado global da LexisNexis Risk Solutions, afirmou que o sistema "Trade with Confidence" aumentaria a confiança pública ao implantar as mesmas ferramentas regulatórias usadas pelos principais bancos.

“A implementação de controles parecidos aos que os maiores bancos do mundo usam adiciona credibilidade às casas de câmbio de criptomoedas do ponto de vista do regulador e instila a confiança do consumidor. Em última análise, essas salvaguardas fornecem uma base sólida sobre a qual a Blockbid e outras empresas podem crescer, com lucro”.

Sediada nos EUA, a LexisNexis Risk Solutions foi fundada na década de 1970 como subsidiária da empresa global de informação e análise RELX Group (LSE: REL/NYSE: RELX). Atualmente, a empresa possui cerca de 10.000 funcionários de acordo com seu perfil no LinkedIn.

Agências reguladoras e governos têm expressado receio sobre as criptos devido a seus supostos usos para o financiamento do terrorismo, lavagem de dinheiro e outras atividades ilícitas. No início deste ano, um congressista dos Estados Unidos chamou a criptomoeda de “crock”, afirmando que seu único uso possível poderia ser para atividades ilegais. Na semana passada, o governo holandês divulgou um relatório no qual eles descobriram que, embora a criptomoeda representasse um baixo risco para o sistema financeiro do país, eles ainda notaram seu possível uso para financiar o comportamento ilícito.

Por outro lado, o Financial Services and Treasury (FSTB) de Hong Kong divulgou um relatório em 1º de maio, afirmando que as criptomoedas não criam qualquer impacto visível na lavagem de dinheiro e no financiamento do terrorismo. Hoje, um ex-promotor federal dos EUA observou em uma entrevista que mais atividades criminosas são conduzidas em moeda fiduciária do que com criptomoeda.