Hackers russos 'ostentação' são procurados pelo FBI e desafiam as autoridades postando fotos com pilhas de dinheiro

Os governos dos EUA e do Reino Unido anunciaram a retirada do sigilo de acusações contra dois membros russos de uma grande operação ciber criminosa chamada Evil Corp e ofereceram cerca de US$ 5 milhões em recompensa para quem tiver informações sobre o paradeiro dos supostos hackers.

Os acusados, Maksim V. Yakubets, AKA “aqua”  e Igor Turashev são procurados por supostamente terem ligação com o desenvolvimento e propagação dos malwares Zeus e Bugat, que seriam responsáveis principalmente pelo roubo de credenciais bancárias e que teriam sido usados para roubar diversas contas correntes em todo o mundo.

Além disso, o Zeus também possuía um ransomware de CryptoLocker, que ao ser ativado, criptografava arquivos pedindo resgate em Bitcoin. Juntos, somente em fraudes bancárias os jovens teriam arrecadado mais de US$ 100 milhões, contudo o valor pode ser muito maior quando computado as criptomoedas obtidas pelos ataques que teriam ocorrido massivamente entre 2013 e 2014, quando o 'resgate' em Bitcoin poderia chegar a até 1 mil BTC, tendo em vista o valor baixo do criptoativo na época.

Yakubets e Turashev seriam integrantes da Evil Corp que seria uma espécie de 'organização' de cibercriminosos que atuaria de diversas formas buscando atacar empresas e indivíduos com roubo de credenciais, dados, criptomoedas, entre outros.

O Departamento do Tesouro anunciou separadamente sanções contra 17 indivíduos e sete entidades e empresas que são acusadas de serem facilitadores financeiros envolvidos nas ações do grupo, incluindo uma 'rede de laranjas' que seria usada pelo grupo.

“Cada uma dessas invasões foi efetivamente um assalto a banco ativado por cibersegurança”, disse o procurador-geral assistente dos EUA, Brian Benczkowski.

No entanto, apesar da recompensa aparentemente os procurados não fazem questão de se esconder e constantemente publicam suas 'extravagâncias' na internet e fazem posts no twitter segurando pilhas de dinheiro, realizando casamento luxuosos ou passeando com filhotes de leão ou tigre.

“As postagens fornecem um retrato muito bom do comportamento deles e do tipo de estilo de vida que eles levam. O que significa carros velozes e riquezas em dinheiro, comportando-se e agindo como milionários excêntricos e extravagantes”, disse Rob Jones, diretor da NCA Cyber ​​Crime Unit.

Para completar os hackers, considerados criminosos pelos EUA, estariam trabalhando para o FSB (Serviço Federal de Segurança da Rússia) desde 2017 e inclusive poderiam lidar com informações confidenciais russas. Por isso, segundo fontes, a Rússia reluta em extraditar hackers para as autoridades ocidentais.

“Como esses criminosos estão na Rússia, alguns podem perguntar por que persegui-los, vocês nunca poderão pôr as mãos neles. É difícil, sem dúvida, mas não é impossível, como mostramos repetidamente nos últimos anos…O governo russo deu uma resposta a uma solicitação de tratado de assistência jurídica mútua. Foi uma resposta que foi útil na investigação até certo ponto.  Até certo ponto”, disse o vice-diretor do FBI David Bowdich.

Como noticiou o Cointelegraph, pesquisadores de segurança descobriram um novo malware do macOS relacionado a criptomoedas que se acredita ser o produto de hackers norte-coreanos Lazarus Group.

Confira mais notícias