EOS foca no Brasil expansão para América Latina

A EOS uma das principais criptomoedas do mercado está em busca de uma expansão na América Latina e pode usar o Brasil como base desta expansão, conforme reportagem do portal CriptoFácil, publicada em 05 de agosto.

Segundo a reportagem a EOS pediu oficialmente registro de marca no Brasil. A criptomoeda já tem um importante grupo no Rio de Janeiro, o EOS Rio, que é uma das produtoras de bloco da rede global da EOS. A criptomoeda também anunciou que realizará no pais o principal evento relacionado ao seu desenvolvimento o EOS Community Conference (ECC), que será realizado no Rio de Janeiro.

"A EOS Rio puxou a conferência. Como somos uma comunidade global, é interessante também que os eventos rodem o mundo. A ECC de 2018 aconteceu em Seul, então achamos interessante trazer para o Brasil.” disse  Thiago Canellas, membro da EOS Rio.

Sobre o pedido de patente a EOS registrou no Instituto Nacional de Propriedade Intelecutal um pedido com os seguintes dizeres:

"Desenvolvimento de software de código aberto para adoção por blokchain para uma construção de aplicativos no blockchain; fornecimento de protocolo blockchain que permite escalonamento vertical e horizontal de aplicativos descentralizados; fornecimento de software para uso, construção, desenvolvimento, execução e funcionamento de outros softwares e aplicativos no blockchain; fornecimento de ferramentas de desenvolvimento de software para a criação de aplicativos blockchain".

Como reportou o Cointelegraph, em seu novo ranking, o Instituto de Pesquisas CCID da China colocou a EOS como líder em uma lista que avalia a tecnologia, aplicação e inovaçã de 37 criptomoedas. O Bitcoin (BTC) ficou em 11o lugar.

O EOS é seguido pelo Ethereum (ETH), com 148,6 pontos, enquanto o Tron (TRX) está em terceiro. O projeto empresarial de código aberto NULS (NULS) e o projeto blockchain GXchain ocupam a quarta e quinta colocação, respectivamente.

O Bitcoin anotou apenas 103 pontos na avaliação, ocupando aa 11a colocação — ascensão de 4 colocações desde o ranking publicado em março. Em fevereiro, o Bitcoin havia subido da 15a para a 13a posição, caindo depois novamente para o 15o lugar.

Notavelmente o, EOS é o líder histórico do ranking do CCID. A criptomoeda já enfrentou polêmicas com críticas por sua falta de descentralização e sua habilidade de reverter transações.