Com selo da Abranetwork, YouXWallet, suposta pirâmide de Bitcoin, começa a atrasar saques

A suposta pirâmide financeira baseada em Bitcoin, YouXWallet, está atrasando o saque de seus usuários segundo relatos compartilhados nas redes sociais e com o Cointelegraph. A empresa, que afirma ter um "selo" de qualidade da Abranetwork, suposta associação de empresas de Marketing Multinível, também não tem respondido os clientes.

Segundo um levantamento do Cointelegraph, a YouXWallet vem sendo investigada pela Comissão de Valores Mobiliários do Brasil, (CVM) pois, a empresa oferece investimentos coletivos e ofertas de investimento sem autorização da autarquia e, portanto, estaria operando de forma irregular no país.

Prometendo retornos de até 400%, bonificações por indicações e outras estratégias de Marketing Multinível, a empresa, segundo especialistas, levanta suspeitas de operar um esquema de pirâmide financeira e denúncias já teriam sido encaminhadas ao Ministério Público.

"Contratei 2 pacotes com essa empresa já faz mais de 20 dias que fiz os saques eles deram o prazo de 5 dias úteis. Já está com mais de 10 dias úteis e até agora não recebi nada. Já fiz várias reclamações e me respondem com e-mails automáticos mas não resolvem o problema", diz um investidor de São Paulo.

A mesma situação ocorre com um investidor de Goiânia que procurou a reportagem para relatar que teria realizado um investimento de R$ 8 mil pedido a retirada no valor e, até o momento, não obteve êxito na solicitação. Investidores de Manaus, Fortaleza, Rio Grande do Sul e diversos outros cantos do Brasil também estão relatando atrasos na plataforma.

No entanto, ignorando o problema dos clientes, a YouXWallet recentemente realizou uma ação social na Rocinha e teria levado uma série de líderes para Cancun. Embora afirme possuir um 'selo' da Abranetwork, a própria associação está com suas atividades sendo analisadas pela autarquia que recebeu relatos de investidores que, acreditando que pelas empresas serem 'registradas' na Associação teriam autorização para atuar no país, o que não é verdade, segundo a CVM.

Como noticiou o Cointelegraph, um levantamento recente mostrou que o maior golpe da história do Bitcoin e das criptomoedas, a Plustoken, teria arrecadado mais de 201 mil Bitcoins e cerca de 10 milhões de Ethereum, além de Ripple, EOS e Dodge.

Confira mais notícias