Co-fundador da extinga exchange BitFunder é condenado a 14 meses de prisão

O operador da agora falida exchange de Bitcoin (BTC), BitFunder, Jon Montroll, recebeu uma sentença de prisão de 14 meses depois de acusações federais de obstrução da justiça e fraude de títulos; finanças e comércio da indústria segundo o portal de notícias FinanceFeeds informou em 12 de julho.

O processo contra Montroll começou no ano passado. Em julho de 2018, Montroll declarou-se culpado de obstrução da justiça, admitindo que ele forneceu declarações falsas de saldo para a Comissão de Valores Mobiliários (SEC na sigla em inglês) dos Estados Unidos em uma investigação de um hack falso de 6.000 BTC na BitFunder em 2013.

O processo contra a Montroll terminou em 11 de julho de 2019, quando o juiz Richard M. Berman, do Tribunal do Distrito de Nova York, decidiu prender Montroll por 14 meses e determinou 3 anos de liberdade supervisionada. Embora o advogado de Montroll tenha argumentado a favor de uma sentença provisória, o governo pediu uma sentença de 27 a 33 meses de prisão.

Recentemente, a juíza distrital dos EUA Sandra J. Feuerstein sentenciou Blake Kantor, 44 anos, residente em New Jersey, a 86 meses de prisão por executar um esquema relacionado a criptomoeda. Feuerstein também ordenou que Kantor pagasse uma restituição total de US$ 806.405, distribuída às vítimas que investiram em sua fraude, bem como a perda de US$ 153.000 em receitas roubadas.

Em maio, a SEC iniciou procedimentos judiciais contra o residente californiano Daniel Pacheco por supostamente operar um esquema multimilionário de pirâmide de criptomoedas A SEC acusou a Pacheco de realizar uma oferta fraudulenta e não registrada de títulos através de duas empresas sediadas na Califórnia, IPro Solutions LLC e IPro Network LLC, de janeiro de 2017 a março de 2018.