Investidor da Midas Trend teria cometido suicídio após 'perder a casa' que teria sido vendida para aplicar na empresa

Um cliente da Midas Trend, empresa que prometia retornos de até 4% ao dia por meio de supostos investimentos em Bitcoin e que é acusada de ser uma pirâmide financeira, teria cometido suicídio após não conseguir reaver seus investimentos.

O suposto cliente teria investido na Midas Trend em setembro de 2019 de olho nos altos retornos financeiros que a empresa prometia. Inicialmente o investidor teria comprado um pacote de R$ 8 mil e depois, empolgado com os supostos retornos, teria investido um total de R$ 80 mil.

Contudo o dinheiro investido era, na verdade, fruto da venda da própria residência do investidor que teria vendido a casa para aplicar na Midas "esperando mudar de vida", segundo relatos. Contudo a empresa suspendeu os saques e o pagamento dos rendimentos e, desesperado, sem conseguir reaver o valor investido na empresa, o investidor teria cometido suicídio.

O Cointelegraph não conseguiu confirmar os relatos, contudo, os saques na Midas Trend estão atrasados há pelo menos dois meses. No dia 24 de dezembro, Deivanir Vieira Santos, CEO da Midas Trend, 'deu um presentão' de natal para seus investidores e declarou que todas as operações do suposto robô de arbitragem da empresa estavam suspensas.

Santos, na publicação, também reconhece que os saques dos clientes estão em atraso mas afirma que todos os pagamentos serão honrados até o final de 2019, o que não foi realizado. Nem Santos, nem a Midas Trend tinha autorização ou dispensa da CVM para atuar no mercado de investimentos. A autarquia abriu o Processo Administrativo SEI nº 19957.006646/2019-48, com a finalidade de apurar uma denúncia contra a empresa.

"Caso sejam identificados indícios de irregularidades, a CVM poderá determinar a suspensão da atividade irregular, aplicar as sanções administrativas previstas (...) se for o caso, comunicar a ocorrência de crime contra o mercado de capitais, entre outros possíveis, ao Ministério Público Federal. Propagandas ou propostas como as da Midas Trend devem levantar certa suspeição, recomenda-se cautela e adoção de providências para checar a procedência, legalidade e viabilidade da oferta ou proposta, antes de fechar qualquer negócio, acordo, etc., e principalmente antes de fazer qualquer pagamento", destacou a CVM.

Mas a CVM parece não ser um 'impedimento' para a Midas Trend já que Devanir Vieira, declarou recentemente que uma autorização da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) do Brasil é "só um selo" e que "não garante nada". Segundo ele, a Midas Trend abriu uma sede no Paraguai como "refúgio", já que a lei brasileira não ofereceria regulação para o "multinível" e poderia fazer o que quisesse com a empresa.

"Imagine que algum órgão poderoso chegue para mim e diga: - 'Eu não gostei de você, desse negócio, vamos parar.' Não tem problema nenhum, a gente dá baixa no CNPJ e continua atuando no exterior normalmente".

Ele também diz que as autoridades não teriam "acesso ao dinheiro", que este seria "impossível" por estar criptografado. Além da CVM há informações, não confirmadas, de que a Midas Trend estaria sendo investigada pelo Ministério Público e pela Polícia Federal.

Como noticiou o Cointelegraph, um usuário da empresa procurou nossa reportagem para fazer uma denuncia contra a empresa que, segundo o denunciante, que se declara cliente da companhia, a Midas prática supostas atividades ilegais e levanta suspeitas de ser uma pirâmide financeira de Bitcoin

"A Midas Trend é uma pirâmide financeira que está perto de ruir como tantas outras. Gostaria de alertar as pessoas para que elas não caiam neste golpe assim como eu", relata o denunciante que pediu para não ser identificado.

Confira mais notícias