Pedido de IPO da Bitmain na iminência de expirar por ausência de audiência do comitê da HKEx

O pedido da gigante chinesa de mineração de cripto Bitmain para listar sua oferta pública inicial (IPO) na Bolsa de Valores de Hong Kong (HKEx) aparentemente chegará ao fim do seu prazo de expiração de seis meses hoje, como observou um membro da comunidade cripto em um tuíte postado em 25 de março.

Como o South China Morning Post já descreveu anteriormente, as regras de listagem da HKEx fornecem uma janela de seis meses para que uma determinada inscrição prossiga para uma audiência a portas fechadas antes do seu Comitê de Listagem. O Comitê está encarregado de dar a aprovação ou desaprovação final da oferta; Caso um candidato não consiga ouvir uma resposta dentro deste prazo, a listagem é formalmente prescrita.

O requerimento - publicado em inglês e chinês em 26 de setembro de 2018 - parece ter chegado ao final de sua janela de validade sem a confirmação de uma audiência da Comissão, tornando o pedido obsoleto.

O SCMP também noticiou notavelmente que a HKEx estava hesitante em aprovar a listagem da Bitmain, embora os representantes da bolsa tenham posteriormente refutado essa reivindicação em correspondência com o Cointelegraph.

Os planos de listagem de IPO da Bitmain apareceram pela primeira vez em junho de 2018, quando o ex-CEO da Bitmain, Jihan Wu, revelou que a empresa estava ponderando uma IPO no exterior em um mercado com ações denominadas em dólares dos Estados Unidos, como Hong Kong.

Muitas especulações e controvérsias desde então afetaram o empreendimento, com analistas de investimentos inicialmente esperando que a gigante da mineração levantasse algo entre 3 e 18 bilhões de dóalres, tornando-se assim a maior oferta pública inicial na história do mercado de TI.

Em meados do verão, surgiram notícias de que a Bitmain estaria selando um acordo de financiamento da IPO, elevando sua avaliação para US$ 15 bilhões. Tanto o conglomerado chinês de tecnologia Tencent quanto o SoftBank do Japão - outro gigante de tecnologia, cuja participação de 15 por cento no Uber, que faz dele o maior acionista do aplicativo - estavam supostamente envolvidos.

Em resposta às investigações da Cointelegraph na época, a Softbank posteriormente negou esse suposto envolvimento. Embora a Tencent tenha escapado à confirmação ou negação formal, outros investidores supostamente logo se distanciaram do envolvimento de rumores.

Em meio ao prolongado mercado de baixa, o empreendimento de IPO enfrentou dificuldades redobradas, com as extensas divulgações de lucros que a Bitmain apresentou em linha com as exigências de listagem de IPO, revelando que a empresa estava pesando as perdas durante a desaceleração do mercado.

Nos últimos meses, a Bitmain fez vários cortes em suas operações globais, juntamente com reduções no número de funcionários e também está enfrentando dois processos coletivos. Em janeiro deste ano, a empresa reformulou os papeis em seu nível executivo, com Jihan Wu e Micree Zhan Ketuan deixando os cargos de co-CEOs, mas continuando no papel de copresidentes.