Banco Central do Brasil participa de Fórum de Bancos Centrais que afirma que uma moedas nacionais serão digitais

O Banco Central do Brasil integra o Fórum Oficial das Instituições Monetárias e Financeiras, OMFIF que se reuniu recentemente para debater os desdobramentos da possível emissão de uma moeda digital como resposta a digitalização da economia. Durante o encontro as nações reconheceram que é praticamente inevitável que uma Moeda Digital de Banco Central (CBDC) seja emitida em breve.

O grupo que além do Brasil conta com 22 representantes de Bancos Centrais vêm debatendo desde 2017 o desenvolvimento e os requisitos de uma moeda digital, incluindo substituibilidade, conversibilidade e usabilidade. Além de discussões sobre um possível  cronograma de emissão de moedas digitais do banco central voltado para o consumidor.

O foco do grupo é em política econômica e monetária, gestão de ativos e regulamentação financeira e, por meio de uma pesquisa conduzida em parceria com a IBM a organização revelou que espera que o primeiro CBDC será emitido em até cinco anos.

"Espera-se que o primeiro CBDC seja produzido em uma pequena economia dentro de cinco anos e responda a objetivos políticos específicos com usos claros ... ... muitos bancos centrais de todo o mundo estão pensando seriamente em desenvolver e distribuir CBDCs orientados ao consumidor, o que pode exigir alguma forma de parceria público-privada (...) Provavelmente testemunharemos a introdução da moeda digital do banco central nos próximos cinco anos como complemento ou substituição de notas e moedas (...) No entanto é improvável que o primeiro lançamento da moeda digital do banco central venha de algum integrante do G20; é mais provável que seja lançado em economias menores e menos complexas , com base em objetivos políticos e casos de uso específicos", declarou o documento apresentado pelo OMFIF.

O OMFIF pesquisou 13 bancos centrais em economias desenvolvidas e 10 bancos centrais em mercados emergentes. Entre os entrevistados, 69% disseram que " fornecer alternativas a dinheiro e outros instrumentos de pagamento " era sua principal motivação para explorar o desenvolvimento da moeda digital do banco central. 62% acreditam que o CBDC pode melhorar os pagamentos transfronteiriços que ainda são pesados, caros e lentos.

O CBDC deve estar disponível offline para ser usado em qualquer lugar, ainda segundo o relatório, 69% dos bancos centrais pesquisados ​​acreditam que “a confiança do CBDC nas autoridades monetárias e no sistema financeiro é sua principal vantagem”.

Os entrevistados também acreditam que “o CBDC deve ser completamente substituível e livremente conversível com moedas fiduciárias para resolver diferenças nas redes de pagamento e remessa de ponta a ponta” e deve “desenvolver um plano de recuperação de desastre, especialmente em clima com Jurisdições com alta frequência de falta de energia ou problemas de conexão de rede. "

Ao mesmo tempo, 29% estão preocupados com o impacto potencial do CBDC na estabilidade financeira. Quase 45% disseram que "existe o risco de reduzir a função dos fundos e do sistema monetário dos bancos comerciais". No entanto, 83% acreditam que seu papel não será Houve muitas mudanças.

Como noticiou o Cointelegraph, a China, segunda maior economia do mundo, está estudando a emissão de uma CBDC e teria feito uma parceria com a Huawei visando desenvolver o projeto.

Confira mais notícias