O que são stablecoins e seus desafios

Connor Blenkinsop
29 NOV 2019
O que são stablecoins e seus desafios

Partnership Material

1.

O que é uma stablecoin?

Uma stablecoin é um tipo de criptomoeda que geralmente tem seu valor atrelado a outro ativo, como moeda fiduciária, metais preciosos ou outros tipos de criptomoeda.

Enquanto as principais moedas digitais como o Bitcoin (BTC) sofrem de saltos repentinos de preços - às vezes em questão de segundos - os mais críticos argumentam que as criptos não podem ser usada como meio de troca. Um café da manhã pode ficar 25% mais caro no tempo entre o seu pedido e a hora de pedir a conta.

As stablecoins tentam lidar com isso, garantindo mais estabilidade. Como isso funciona na prática varia. Em alguns casos, US$ 1 é mantido em reserva para cada unidade de uma stablecoin em circulação, ou talvez um grama de ouro. Como dólares e metais preciosos não são tão voláteis, sujeitos a variações irregulares de preços, a maioria das stablecoins busca diminuir esta volatilidade da equação. Eles também podem se tornar um refúgio para os entusiastas de criptomoedas quando os mercados estão em baixa.

Você pode ler um guia mais detalhado sobre os conceitos básicos de stablecoins aqui.

2.

Tudo isso parece bom. Então qual é o problema?

Alguns dos maiores players do mercado de stablecoin foram acusados de falta de transparência.

O Tether é a sétima maior criptomoeda do mundo no momento - e a grande stablecoin tem um valor de mercado de mais de US$ 4 bilhões. Mas a simples promessa de que todas as unidades são “100% lastreadas” em dólares dos Estados Unidos foi posta em xeque nos últimos anos - e questões legais surgiram no horizonte.

Os críticos de criptomoedas há muito tempo pedem que o Tether submeta-se a uma auditoria independente para verificar a veracidade de suas reivindicações, mas essas verificações não foram realizadas. Alterações recentes nos termos do site também sugerem que o stablecoin está sendo lastreada por outros ativos. Os documentos dizem que isso pode incluir contas a receber de empréstimos emitidos. A confirmação de que o Tether está sendo executado a partir de uma reserva fracionária veio depois, com os advogados da operadora da stablecoin, que revelaram em documentos judiciais que a empresa só tem dólares suficientes para garantir 74% de seu suprimento. “Uma pequena quantidade de reservas” também está em Bitcoin, levando um juiz da Suprema Corte de Nova York a questionar por que o Tether havia colocado seus ativos na mesma moeda volátil que deveria modular.

Tudo isso ocorre como um caso em andamento pelo Gabinete do Procurador-Geral de Nova York, que alega que US$ 850 milhões dos fundos do Tether foram usados para cobrir perdas na Bitfinex, uma exchange afiliada - afetando a confiança nas stablecoins centralizadas.

Algumas stablecoins descentralizadas também estão enfrentando dificuldades. O DAI - um token ERC-20 atrelado a 1: 1 com o dólar americano, com uma taxa de câmbio mantida pela sobrecolateralização com Ether (ETH) - tem lutado algumas vezes para manter seu preço de US$ 1.

3.

Onde dizem os reguladores sobre as stablecoins?

Como em outras criptomoedas, o cenário regulatório é irregular e confuso.

O Japão - uma economia desenvolvida que adotou uma postura mais amigável em relação às criptomoedas do que em outros países - parece estar liderando a tarefa de estabelecer parâmetros para a regulação das stablecoins. Tóquio acredita que essas moedas digitais têm o potencial de fazer remessas - pagamentos que trabalhadores estrangeiros enviam para casa a seus entes queridos - de forma mais rápida e barata. Uma vez que mais de US$ 500 bilhões foram enviados em remessas globais para países em desenvolvimento em 2018 - com migrantes enfrentando taxas muito altas, com média de 7% - isso não pode ser ruim.

Nos EUA, que adota uma abordagem mais cautelosa às criptomoedas em geral, parece que a regulamentação dependerá do método que as moedas usam para garantir sua estabilidade. Como resultado, as stablecoins atreladas ao dólar americano seriam tratadas de maneira diferente daquelas que mantêm um preço estagnado, ajustando algoritticamente a oferta à demanda.

Embora “regulamentação” seja vista como uma palavra ruim, há um argumento de que diretrizes claras dos órgãos financeiros podem ajudar as stablecoins - e o setor criptográfico mais amplo - a crescer. Timothy G. Massad, membro sênior da Escola de Governo John F. Kennedy de Harvard, acredita que o fortalecimento das regulamentações protegeria melhor os investidores de criptomoedas, incentivaria a inovação, reduziria casos em que as moedas digitais fossem usadas para fins ilícitos e tornariam menos frequentes os ataques cibernéticos.

Em agosto, o Banco Central Europeu alertou que a incerteza regulatória pode dificultar o surgimento de stablecoins com uma estrutura de governança clara.

4.

O que operadoras de stablecoin podem fazer?

Uma maneira de trazer confiança e superar um grande desafio enfrentado pelas stablecoins envolve total transparência.

Os rivais do Tether estão capitalizando suas fraquezas, abrindo seus registros ao público e garantindo que suas stablecoins sejam realmente 100% lastreadas em dólares norte-americanos.

Um desses produtos é USDK. Lançado em junho de 2019, a stablecoin baseada em ERC-20 foi co-desenvolvida pela empresa de tecnologia blockchain OKLink e pela empresa de confiança licenciada pelos EUA Prime Trust, com fundos custeados de forma independente. A operadora diz que oferece uma taxa de conversão garantida de 1: 1 entre USDK e USD, e seu valor monetário é 100% reservado. Para esse fim, a empresa de auditoria independente Armanino fornece relatórios mensais dos dólares detidos pela Prime Trust para os detentores de tokens de USDK, a fim de proporcionar a máxima transparência ao público - enquanto auditorias inteligentes de contratos são realizadas por empresas terceirizadas, como Certik e Slowmist

Negociando nas principais exchanges OKEx e Bitfinex, o USDK oferece a liquidez necessária para que os participantes financeiros façam uso da stablecoin.

5.

As stablecoins vão ganhar o mainstream?

Potencialmente sim, mas há obstáculos no caminho.

No início deste ano, o Facebook revelou planos para o Libra - uma stablecoin que seria atrelada a uma cesta de ativos - incluindo as principais moedas fiduciárias, como dólar, iene, euro e libra. A rede social queria permitir que bilhões de usuários enviassem e recebessem dinheiro entre si - inclusive entre fronteiras - potencialmente perturbando o mercado de remessas. No entanto, Mark Zuckerberg, co-fundador e CEO do Facebook, teve que voltar atrás, com os políticos americanos temendo que isso pudesse prejudicar o dólar americano e até ameaçar a economia global. Isso pôs em dúvida a data de lançamento de 2020, com o Facebook admitindo aos investidores que talvez nunca seja lançado.

O Walmart, um dos maiores varejistas do mundo, também entrou em ação. Um registro de patente sugere que, como o Facebook, deseja desenvolver uma moeda digital apoiada pelo dólar americano que possa ser usada para armazenar riquezas - e ser resgatada e convertida em dinheiro em varejistas selecionados. Isso poderia dar aos consumidores que não usam serviços bancários uma alternativa financeira e seria uma dor de cabeça para as empresas de cartão de crédito e débito. Conforme relatado pelo Cointelegraph, alguns especialistas acreditam que o Walmart enfrentará menos pressões regulatórias do que Libra.

Esses projetos lançaram as stablecoins para o centro das atenções - dando a muitos membros do público sua primeira oportunidade de entender o que são blockchain e criptos e o que eles poderiam oferecer. Em fevereiro, um relatório publicado pela reserva de stablecoin Reserve dizia que as stablecoins desempenharão um papel fundamental na adoção principal de tecnologias de criptografia - principalmente em países que foram devastados pela hiperinflação, como Venezuela e Angola. Os volumes de negociação de stablecoin têm aumentado constantemente nos últimos meses, com recordes de capitalização de mercado sendo quebrados ao longo do caminho.

6.

O que 2020 reserva para as stablecoins?

Grandes lançamentos e mais drama regulatório são cada vez mais prováveis.

Fique de olho no Facebook e no Walmart para ver como seus projetos progridem e observe os países ao redor do mundo apresentarem planos para lançar versões digitais de suas próprias moedas. É provável que os reguladores não tenham escolha a não ser apresentar uma estrutura clara que descreva onde as moedas estáveis se encaixam na economia - mas alguns países, como a Índia, podem continuar pressionando por uma proibição total de criptomoedas.