Banco Central Europeu diz que stablecoins também são vulneráveis à incerteza regulatória

As stablecoins com uma estrutura de governança clara podem ser prejudicadas pela incerteza da falta de regulamentação, de acordo com o Banco Central Europeu (BCE).

Quatro maiores stablecoins são destaque

Em 29 de agosto, o BCE publicou um documento dedicado às stablecoins, no qual descreve como unidades digitais de valor que não são uma forma de moeda específica, mas dependem de um conjunto de ferramentas de estabilização para minimizar flutuações no preço.

O artigo do BCE é chamado "Em busca de estabilidade em ativos criptográficos: as stablecoins são a solução?". Ele propõe uma classificação de stablecoins com base em diferentes conceitos-chave usados para manter seu valor estável. Especificamente, o BCE delineou quatro tipos principais de stablecoins, incluindo aqueles especificados como fundos tokenizados, stablecoins com garantia off-chain, stablecoins com garantia on-chain e stablecoins algorítmicas.

54 stablecoins totalizaram US$ 4,8 bilhões em julho

De acordo com os dados do BCE, existem pelo menos 54 projetos de stablecoin, sendo 24 deles operacionais. A capitalização total de mercado das iniciativas de stablecoins quase triplicou de 1,5 bilhão de euros (US$ 1,7 bilhão) em janeiro de 2018 para mais de 4,3 bilhões de euros (US$ 4,8 bilhões) em julho de 2019, enquanto o volume médio de transações com stablecoins foi de 13,5 bilhões de euros por mês no período entre Janeiro e julho de 2019.

Os fundos tokenizados são o tipo de stablecoin mais popular, respondendo por quase 97% do volume mensal de todas as outras iniciativas de stablecoin, de acordo com o BCE.

Classification of 54 active stablecoin initiatives

Classificação das 54 iniciativas de stablecoin ativas. Fonte: BCE

Incertezas na área são maior risco

No relatório, o BCE enfatizou as incertezas existentes na governança e no tratamento regulatório de projetos de stablecoin. Especificamente, o banco escreveu que a adoção da stablecoin pode exigir melhorias em sua governança, incluindo os processos de atualização dos contratos inteligentes do projeto.

Por outro lado, as stablecoins com uma estrutura clara de governança também estão em risco, na medida em que possam "ser prejudicadas pela incerteza relativa à falta de escrutínio e reconhecimento regulatório", o que é especificamente relevante no caso de as instituições financeiras usarem a mesma tecnologia para gravação de ativos tradicionais. Nessa situação, as stablecoins seriam redundantes no uso de DLT fora dos mercados de ativos cripto, concluiu o banco.

Em julho de 2019, um representante do BCE falou sobre as preocupações com o uso de stablecoins, alegando que não há motivo para alarme, mas é preciso estar vigilante com as stablecoins.