Agências reguladoras dos EUA integram a Rede Global de Inovação Financeira do Reino Unido

A Rede Global de Inovação Financeira (GFIN) - uma aliança de 50 organizações destinadas a apoiar a inovação financeira - integrou uma série de agências reguladoras dos Estados Unidos.

De acordo com um comunicado de imprensa publicado em 24 de outubro pela Comissão de Valores Mobiliários dos EUA (SEC), a Comissão de Comércio de Futuros de Mercadorias (CFTC), a Federal Deposit Insurance Corporation (FDIC), o Escritório do Controlador da Moeda (OCC) e a própria SEC, se juntaram ao GFIN.

Representando os interesses das partes interessadas do setor

A participação das agências na iniciativa é voltada para promover ainda mais seus conhecimentos nos EUA e no exterior, ajudando os reguladores financeiros a representar os interesses e necessidades do país e das partes interessadas em serviços financeiros. O comunicado especifica:

"Ao promover o compartilhamento de conhecimento sobre inovação em serviços financeiros, os membros dos EUA da GFIN, procurarão promover a integridade financeira e de mercado, proteção ao consumidor e ao investidor, inclusão financeira, concorrência e estabilidade financeira".

As boas intenções da GFIN

A GFIN foi criada pela Autoridade de Conduta Financeira do Reino Unido em 2018, com o objetivo de melhorar a colaboração em inovações fintech entre reguladores e empresas. A GFIN tem como objetivo consultar tópicos como o crescimento de tecnologias, como tecnologia de contabilidade distribuída e inteligência artificial, bem como a regulamentação de valores mobiliários e ofertas iniciais de moedas, entre outros.

Posteriormente, a GFIN recebeu uma resposta positiva ao seu documento de consulta das partes interessadas do setor. “A resposta da indústria e de outros reguladores internacionais foi extremamente positiva em favor do estabelecimento da GFIN, para facilitar um novo método prático de colaboração regulatória em inovação e criar um ambiente para testes”, escreveu a organização.

No início desta semana, o secretário econômico do Tesouro do Reino Unido, John Glen, respondeu uma série de perguntas sobre desenvolvimentos na abordagem do Reino Unido aos ativos cripto, incluindo a consideração contínua da proibição pela FCA do Reino Unido. Glen disse:

"A decisão final [...] é da responsabilidade da Autoridade de Conduta Financeira (FCA), que é operacionalmente independente do governo."