Investidores da TON do Telegram votam contra reembolso em meio à investigação da SEC, diz reportagem

Investidores da Telegram Open Network (TON) e da venda de tokens de US$ 1,7 bilhão votaram contra a devolução de seu dinheiro, informou a Forbes Russia em 23 de outubro.

Duas fontes próximas à equipe do Telegram disseram aos repórteres que a maioria dos votos - com a inclusão de investidores nas duas rodadas da oferta - concordou em adiar o lançamento da rede TON para 30 de abril e manter seu investimento no projeto.

Ação da SEC

Conforme relatado anteriormente, o lançamento antecipado da TON em 31 de outubro foi adiado após uma intervenção abrupta da equivalente norte-americana da Comissão de Valores Mobiliários (Securities and Exchange Commission - SEC) declarar ilegal sua oferta de token de 2018.

O acordo da Telegram com os investidores era que, se ela não implementasse a plataforma na data prometida, eles seriam elegíveis para reembolso de seus investimentos.

Ontem, 23 de outubro, supostamente era o prazo para os investidores decidirem se escolheriam exigir um reembolso de 77% do seu investimento.

A Telegram lhes enviou uma proposta para esperar ou devolver parte de seus fundos uma semana depois que a SEC conseguiu uma liminar contra o lançamento da TON e a circulação do Gram contra a empresa e suas subsidiárias no exterior.

Com o aval dos investidores agora garantido, a Telegram poderá gastar outros US$ 80 milhões do investimento de US$ 1,7 bilhão antes de abril.

Uma fonte próxima a Durov disse à Forbes que a decisão dos investidores deve ser anunciada oficialmente nesta quinta-feira, 24 de outubro.

Audiência marcada para fevereiro

O Telegram agora enfrenta uma audiência agendada para os dias 18 e 19 de fevereiro, na qual os representantes do Telegram buscarão uma decisão judicial sobre o principal argumento de que Gram não é uma segurança.

Em 21 de outubro, o Telegram teria enviado outra carta aos investidores, afirmando que viu o adiamento da audiência de outubro a fevereiro como um desenvolvimento positivo:

“As audiências de fevereiro são diferentes das agendadas para 24 de outubro, porque consideram apenas o possível adiamento do lançamento da plataforma. Nós e nossos consultores usaremos esse tempo para garantir que, na audiência de fevereiro, a posição do Telegram seja apresentada e apoiada o máximo possível.”

Em meados de outubro, relatos especulavam se a promessa da Telegram de devolver dinheiro aos investidores em caso de atraso poderia ser substituída por uma cláusula de "força maior" em seu contrato de compra.

Uma cópia vazada do documento havia revelado que a cláusula de força maior - que inclui desastres naturais, ameaças terroristas e a erupção da guerra - também incluía ações legais ou regulamentares por parte das autoridades.