O desastre que foi Mt. Gox: quatro anos depois

O Mt. Gox mantém sua parte na história do Bitcoin como a maior troca de criptos que surgiu em uma nuvem de confusão e raiva.

Em fevereiro de 2014, há pouco mais de quatro anos, agora, um mês preocupante, já que o intercâmbio começou a capitular o fim da falência da empresa. O Mt. Gox afirmou que quase 750 mil de seus clientes Bitcoins, bem como 100 mil de seus próprios Bitcoins, foram roubados. A perda total constituiu cerca de sete por cento de todos os Bitcoins disponíveis, e valendo cerca de US$473 milhões no momento.

Por toda a saga Mt. Gox, muitas perguntas e preocupações foram levantadas sobre Bitcoin, e levou a moeda digital alguns anos para se recuperar desse incidente, mas ainda assim, para neste dia, há notícias que emanam sobre essas moedas roubadas.

A gênese da maior troca mundial

O Mt Gox foi lançado em 2010 pelo programador dos EUA Jed McCaleb (que mais tarde foi fundador da Ripple), mas em março de 2011 foi comprado por um desenvolvedor francês e entusiasta de Bitcoin Mark Karpelès. o nome Mt. Gox representou "Magic The Gathering Online eXchange".

Mark Karpelès esteve envolvido em uma entrevista de rádio recente , em 6 de março, no qual ele resume o caminho dele e da companhia para a fama e a fortuna.

"Senti como ... quando você cai de um prédio e você vê o chão se aproximando, e você sente que está prestes a morrer. Mt. Gox passou de um projeto interessante, e eu diria, um pesadelo diário de lidar com bancos, governos, pessoas que eu nunca soube que existiam".

Naquela época, algo como sete de cada 10 transações Bitcoin foram tratadas pela troca.

"Sinto muito que, quando eu estava no comando, as coisas acontecessem do jeito que foram".

O primeiro hack

O hack do Mt Gox 2014 é conhecido em toda a comunidade de cripto, e sua influência ainda está sendo sentida, mas o Mt. Gox foi pirateado em 2011. Isso aconteceu muito provavelmente como resultado de um computador comprometido pertencente a um auditor da empresa.

Naquela época, os hackers usaram seu acesso à troca para alterar artificialmente o valor nominal de um Bitcoin a um centavo e depois transferir um estimado de 2.000 Bitcoins das contas de clientes na troca.

80 porcento dominante

Apesar deste recuo inicial, o Mt. Gox expandiu-se rapidamente e, até 2013, foi a maior troca de Bitcoin incontestável no mundo que administrava tanto quanto 80% de todas as transações da Bitcoin.

Enquanto a empresa estava construindo uma presença considerável no mercado, internamente nem tudo funcionou bem.

Em 2013, a Coinlab, um antigo parceiro comercial da bolsa, processou a empresa por US$75 milhões, reclamando violação de contrato. O contrato estipulava que a Coinlab assumiria os clientes americanos do Mt. Gox, mas isso nunca aconteceu.

Além disso, o Departamento de Segurança Interna recebeu afirmações que uma subsidiária do Mt. O Gox que opera nos EUA não era licenciado e, portanto, operava como um transmissor de dinheiro não registrado.

Como resultado da investigação, mais de US$5 milhões foram apreendidos pelo Departamento pelas contas bancárias da empresa.

  • O infame hack
  • O chamado hack que levou ao colapso do Mt. Gox ainda está hoje envolto em mistério, enquanto o mês de fevereiro de 2014 viu uma confusa procissão de eventos.
  • Em 7 de fevereiro de 2014: O Mt. Gox interrompeu todas as retiradas do Bitcoin devido à maleabilidade das transações. "Um erro no software Bitcoin torna possível que alguém use a rede Bitcoin para alterar os detalhes da transação para que pareça que o envio de Bitcoins para uma carteira Bitcoin não ocorreu quando de fato ocorreu", uma declaração diz.
  • Em 17de fevereiro de 2014: As retiradas ainda foram interrompidas à medida que a empresa apresentava as etapas que estava tomando para abordar problemas de segurança.
  • Em 23 de fevereiro de 2014: Mark Karpelès renunciou ao conselho da Fundação Bitcoin. No mesmo dia, todas as postagens na sua conta do Twitter foram removidas.
  • Em 24 de fevereiro de 2014: Todas as negociações foram suspensas e, em seguida, o site ficou totalmente offline. Um documento interno vazado alegou que a empresa estava insolvente, depois de ter perdido 744,408 Bitcoins em um roubo que não foi detectado há anos.
  • Em 25 de fevereiro de 2014: O Mt. Gox relatou em seu site que uma "decisão foi tomada para fechar todas as transações por enquanto,"citando"notícias recentes e as possíveis repercussões nas operações do Mt Gox".
  • Em 28 de fevereiro de 2014: Mt. Gox arquivou a proteção de falência em Tóquio, e em 9 de março pediu proteção de falência nos EUA.

O mês de fevereiro abalou o mundo do Bitcoin com o Mt. Gox desceu em uma pilha, deixando milhares de pessoas fora do bolso, confusas e irritadas. De fevereiro até o final de março,  o valor do Bitcoin diminuiu 36%.

O Mt. Gox

fonte de imagem: Bitcoincharts

The aftermath

As repercussões do hack afetaram não só o Mt. Gox e seus clientes, mas também Karpelès.

O CEO da Mt. Gox foi novamente preso no Japão em agosto de 2015, depois de ter sido trazido no início desse ano e acusado de fraude e desfalque, acusações não relacionadas diretamente com o roubo. Ele foi preso até julho de 2016, quando ele foi liberado sob fiança.

Antes de sua prisão, Karpeles admitiu que ele "encontrou" 200 mil dos Bitcoins em falta em um local de armazenamento frio por sua própria vontade. Isso atraiu suspeitas e a reputação de Karpelès na comunidade começou a mergulhar à medida que surgem mais alegações; por exemplo, que ele gastou o dinheiro maldito do Bitcoin em prostitutas.

Em meados de 2017, Karpelès foi levado perante um tribunal de Tóquio para responder a acusações de desfalque e manipulação de dados. Durante o julgamento, Karpelès admitiu estar operando uma chamada 'Willy Bot' (exchange de obrigações).

BTC-e

Ao mesmo tempo que Karpelès estava em Tóquio, uma conexão estranha foi feita: Outro operador de câmbio foi preso em conexão com o Bitcoin roubado do Mt. Gox.

Em julho de 2017, um cidadão russo chamado Alexander Vinnik foi preso pelas autoridades dos EUA na Grécia e acusado de desempenhar um papel fundamental na lavagem de Bitcoins roubado do Mt. Gox.

BTC-e foi invadido pelo FBI, fazendo com que o site caísse. Essa foi a primeira vez que uma autoridade dos Estados Unidos tomou uma empresa estrangeira em terra estrangeira.

As investigações feitas por Wizsec, um grupo de especialistas em segurança da Bitcoin, identificaram Vinnik como o proprietário das carteiras onde os Bitcoins roubados foram transferidos, muitos dos quais foram vendidos na BTC-e.

Ainda nas notícias

Com a investigação ainda em curso, não é surpreendente Karpelès e Mt. Gox, ainda estão frequentando as notícias até agora.

Assim, em novembro de 2017, Karpelès sugeriu dirigir uma ICO para levantar $245 milhões para "reviver" o Mt. Gox.

Esta semana, investigações não oficiais alegaram que uma empresa de "shell" do Reino Unido estava envolvida na lavagem de 650 mil BTC do Mt. Gox. A empresa Always Efficient LLP teria participado no processamento dos fundos pirateados da troca de Tóquio.

Além disso, os especialistas sugeriram que a recente queda de preços da Bitcoin para cerca de US $6.000 em fevereiro de 2018 foi reduzida a um trustee Mt.Gox "em pânico" e vendendo US$400 milhões em Bitcoin.

Nobuaki Kobayashi vendeu mais de 35.000 BTC e 34.000 BCH (Bitcoin Cash) para pagar os credores da troca extinta.

Nunca esquecer

Muito aconteceu na vida útil do Bitcoin, mas provavelmente algo da magnitude do Mt. Gox nunca mais acontecerá. As trocas são mais rigorosamente examinadas e a distribuição das transações é muito maior.

Mas, os efeitos de repetição deste grande hack continuam sendo sentidos, e provavelmente continuarão por algum tempo. Isso poderia servir como um caso importante para a comunidade, e um aviso severo, de que o ecossistema criptográfico precisa ser cuidado.