Reguladora de valores mobiliários do Texas desmonta fraude cripto no Craigslist

As autoridades do Texas, nos Estados Unidos, emitiram uma ordem para interrupção e desistência contra uma suposta operadora de uma fraude cripto no Craigslist.

Segundo anúncio de 7 de agosto, o Texas State Securities Board (SSB) executou uma ação de emergência contra as provedoras de investimentos Forex e Bitcoin Trader, com sede em Nova York. O SSB afirma que esta é a quarta ação desse tipo desde que o órgão regulador iniciou uma segunda investigação sobre ofertas cripto suspeitas de fraude no final de junho.

Supostos retornos de 900% sobre o investimento

Segundo a Ordem de Interrupção e Desistência Urgente, a Forex e a Bitcoin Trader estavam fazendo publicidade de seu esquema de investimentos no Craigslist Dallas, prometendo retornos de 900% em 14 dias.

Além de promover um esquema de investimento cripto prometendo um retorno de US$ 20.000 a partir de um investimento de US$ 2.000, as empresas teriam alegado falsamente serem corretoras licenciadas e autorizadas a negociar títulos, moeda estrangeira e derivativos, diz a ordem.

Conforme foi descoberto pelos investigadores, a Forex e a Bitcoin Trader não estão registrados junto ao Comissariado de Valores Mobiliários como um revendedor ou agente.

A Forex e a Bitcoin Trader teriam enganado os investidores alegando que a empresa possuía uma apólice de seguro e capital suficiente para garantir os retornos dos investidores. No entanto, o relatório observa que a empresa não divulgou nenhuma informação sobre seu capital ou seguro.

Texas continua à caça de fraudes cripto

Conforme declarado no anúncio, o Texas State Securities Board foi o primeiro regulador estatal de valores mobiliários nos EUA a adotar uma ação de execução contra uma empresa relacionada à criptomoedas. A Autoridade teria entrado com 24 ordens administrativas até hoje, envolvendo 62 indivíduos e entidades.

Em janeiro de 2018, a Texas Securities Commissioner ordenou uma injunção de encerramento e desistência contra o famigerado esquema da Bitconnect, pela venda de títulos não-licenciados.

Recentemente, o Cointelegraph publicou que uma onda de contas falsas do Libra circulavam no Facebook e no Instagram, fazendo-se passar por entidades oficiais da moeda digital ainda não lançada e até se oferecendo para investir nela.