Coréia do Sul: crimes relacionados com criptomoedas arrecadaram mais de US$ 2.28 bilhões desde julho de 2017

O Ministério da Justiça da Coréia do Sul estima que crimes relacionados à criptomoeda tenham causado 2,69 trilhões de won (cerca de US $ 2,28 bilhões) de danos financeiros entre julho de 2017 e junho de 2019.

De acordo com um relatório de 21 de julho da mídia local em língua inglesa The Korea Herald, o ministério alegou que 132 criminosos e fraudadores relacionados a criptomoedas foram indiciados e detidos, com outros 288 indiciados sem detenção física durante o período mencionado.

O relatório afirma que, enquanto o ministro da Justiça, Park Sang-kim, ordenou medidas severas contra os criminosos de criptomoedas, a falta de regulamentação clara sobre as exchanges de criptomoedas levou a um aumento no uso de contas quase anônimas ou opacas. 

Apesar da proibição de contas anônimas nas exchanges de criptomoedas em janeiro do ano passado, pequenas bolsas declaradamente começaram a usar as chamadas “contas de colméia” para contornar o regulamento.

As exchange que empregam esse tipo de conta mantêm os fundos dos usuários em suas contas bancárias corporativas, mantendo a identidade de seus usuários privados. O governo teria proposto encerrar a prática, mas um tribunal interrompeu a iniciativa determinando que seria inadequado para o governo fechar as contas bancárias corporativas da exchange.

Como a Cointelegraph informou no início deste mês, a maior empresa de cartões de crédito da Coreia do Sul, Shinhan Card, recebeu uma patente para um sistema de pagamentos baseado em blockchain.

Em 1º de julho, foi divulgada a notícia de que Busan, a segunda cidade mais populosa da Coréia do Sul após Seul, está considerando o lançamento de uma criptomoeda local em colaboração com o BNK Busan Bank, uma subsidiária da holding local BNK Financial Group.