Maior banco da Rússia interrompe planos com criptos depois de declarações negativas do banco central

maior banco da Rússia, o banco estatal Sberbank, suspendeu seus planos relacionados a criptos devido às declarações negativas com relação à indústria feitas pelo banco central, a agência de notícias local TASS noticiou em 30 de maio.

O vice-presidente do Sberbank Andrey Shemetov teria revelado a notícia em uma coletiva de imprensa recente, declarando que o Sberbank estava à espera de uma legislação cripto que permitisse a negociação de criptomoedas.

Porém, Shemetov declarou que o órgão regulador financeiro local e o banco central, o Banco da Rússia, no momento são contra a adoção do espaço cripto. Assim, o banco terá de interromper seus planos relacionados a criptomoedas.

Na matéria, a autoridade não especifica qual projeto exatamente teve de ser suspenso.

Em janeiro de 2018, uma subsidiária do Sberbank na Suíça, o Sberbank Switzerland AG, anunciou que tinha planous de lançar uma exchange de criptomoedas. Na época, Shemetov declarou que o banco havia escolhido a Suíça como sede da exchange pois as autoridades russas não permitiam operações cripto.

Recentemente, o Sberbank requeriu um cliente para fornecer dados sobre suas receitas de criptomoeda.

As autoridades russas ainda não conseguiram aprovar uma legislação cripto, por uma série de motivos.

Mais recentemente, a TASS noticiou que a Rússia teve de adiar a adoção de leis para criptos devido a um requerimento da Força-Tarefa de Ação Financeira para Lavagem de Dinheiro (Financial Action Task Force on Money Laundering) para criar regras para uso dos principais termos da indústria, como cripto e Bitcoin (BTC), em vez de usar somente "ativos digitais". Especificamente, os legisladores russos teriam evitado parte da terminologia no projeto de lei, para atender a um "certo posicionamento" do banco central da Rússia.

Por outro lado, o banco central consequentemente reagiu ao relatório, alegando que o projeto de lei sobre a regulação cripto está suficientemente preparado para ser adotado já na primavera de 2019, atendendo à ordem do presidente do país, Vladimir Putin.