Banco regulado de criptomoeda suíço SEBA expande serviços para nove países

O SEBA, banco de criptomoedas da Suíça, expandiu seus serviços para nove países. De acordo com a Finance Magnates em 12 de dezembro, o SEBA revelou que suas contas agora estão totalmente operacionais para clientes institucionais e investidores credenciados em Portugal, Reino Unido, Alemanha, Itália, França, Áustria, Hong Kong e Singapura.

Como relatado anteriormente, o SEBA Bank AG (anteriormente SEBA Crypto AG) é uma instituição totalmente regulamentada, que obteve uma licença de corretor de valores mobiliários e de bancos da Autoridade Supervisora ​​do Mercado Financeiro da Suíça (FINMA) em agosto de 2019.

Abrangentes serviços bancários de cripto

Como parte dos serviços de conta que presta, o SEBA oferece o aplicativo SEBAwallet, serviços de banco eletrônico e cartões do SEBA, com suporte para cinco das principais criptomoedas: Bitcoin (BTC), Ether (ETH), Stellar (XLM), Litecoin (LTC) e Ether Classic (ETC).

O banco fornece aos investidores serviços de conversão cripto-cripto e cripto-fiduciário além de oferecer contas corporativas para empresas de blockchain e seus funcionários.

O SEBA é um dos dois bancos de criptomoedas da Suíça que recebeu a aprovação regulatória da FINMA, sendo o Sygnum o outro. O Sygnum também está de olho em uma expansão global e agora mantém conversas ostensivas com reguladores para garantir uma licença bancária em Singapura.

Desdobramentos regulatórios suíços

Neste verão, a FINMA divulgou novas orientações sobre os requisitos regulatórios para pagamentos baseados em blockchain.

Ao aderir amplamente à estrutura de regulamentação de ativos digitais emitida em junho pela organização intergovenamental Grupo de Ação Financeira Internacional (GAFI), o regulador suíço foi um passo além dos parâmetros do GAFI, recusando-se a isentar pagamentos de provedores não regulamentados de carteiras de seus requisitos.

Este mês, o primeiro relatório anual de monitoramento de riscos da FINMA identificou blockchain e criptoativos entre os fatores que contribuem para os riscos de lavagem de dinheiro na Suíça.