Enquanto 'Fênix' não voa, Atlas Quantum fica, novamente, sem escritório de advocacia

Enquanto o "Projeto Fênix", anunciado elo  CEO da Atlas Quantum, Rodrigo Marques, não 'decola', pela 3ª vez, desde que iniciou a crise nos saques, a Atlas Quantum, plataforma que afirma realizar arbitragem de Bitcoin e criptomoedas está sem um escritório de advocacia para representar a empresa nos processo judiciais abertos por clientes e também naqueles abertos, contra clientes, pela Atlas.

O atual escritório que cuidava da empresa, o  Palinkas Advogados, protocolou, no final de 2019, uma petição para renunciar de sua atuação em processos que envolvem a Atlas Serviços em Ativos Digitais LTDA, Atlas Proj Tecnologia EIRELI, Atlas Services Serviços de Gestão Empresarial LTDA e Atlas Project International LTD.

Esta é a 3ª vez que a Atlas fica sem escritório de advocacia. A primeira quando a Diretora de Jurídico e Compliance, Emilia Campos deixou a empresa e, junto com ela, o escritório que cuidava dos processos da Atlas, o Malgueiro Campos, também deixou de atuar em favor da empresa do CEO Rodrigo Marques.

Após a renúncia de Campos, a Atlas teria contratado outro escritório de advocacia que chegou a representar a empresa por um curto período de tempo e foi o responsável pelo 'não recebimento' de diversas ordens judiciais segundo acompanhou a reportagem do Cointelegraph.

O Palinkas Advogados vinha atuando em defesa da Atlas Quantum em praticamente todos os processos judiciais que a empresa enfrenta na justiça, contudo, caso a Atlas não faça a nomeação de um advogado para atuar nos processos em andamento e naqueles que ainda podem ser iniciados, a empresa pode ser condenada 'a revelia'.

Importante notar que na carta de renúncia do Palinkas o escritório insere todas as empresas em um mesmo endereço, deixando claro que se trata de um grupo econômico e contradizendo o próprio argumento que usava para defender a Altas de que as empresas não constituiam um grupo econômico.

Até a publicação desta reportagem não havia informações sobre a contratação de um novo escritório ou advogado para representar a empresa. O Cointelegraph tentou contactar a Assessoria de Imprensa da Atlas que respondeu que o contrato com a Atlas foi encerrado em dezembro. O Palinkas Advogados também não se manifestou oficialmente sobre o caso.

Como noticiou o Cointelegraph, na última reunião realizada por Rodrigo Marques e um grupo de investidores da Atlas Quantum, o CEO teria declarado que em 2020 lançaria o "Projeto Fênix" que poderia 'recuperar' a Atlas Quantum e resolver os problemas da empresa, contudo, afirmou que o prazo para pagar todos os clientes com saques atrasados pode ser de até 7 anos.

Confira mais notícias